Menu
SADER_FULL
segunda, 16 de setembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Futuro da Venezuela será decidido no domingo

14 Ago 2004 - 07h44
“Se o governo de Chávez vence e consegue ter uma grande margem de votação, como na primeira eleição, sai bastante fortalecido”, afirma Rafael Villa, venezuelano que está no Brasil há 16 anos e atualmente é professor do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP).

No dia 15 de agosto, a Venezuela encerra mais uma fase das tensões que abalaram o país desde o golpe mal-sucedido contra o presidente Hugo Chávez, entre 11 e 14 de abril de 2002. No próximo domingo, acontece o referendo que decidirá se Chávez deve ou não continuar no poder. O desenrolar dos acontecimentos na Venezuela é acompanhado no mundo todo, uma vez que o país é o quinto maior exportador de petróleo.Villa diz que a vitória de Chavez “reafirmaria sua legitimidade”, além de ser um fato que “não poderia ser ignorado nem pelos setores de oposição, nem pelos setores externos, como os Estados Unidos”.

Para o coordenador do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Emir Sader, “uma derrota de Chávez significaria o assanhamento da política de George W. Bush [presidente dos EUA] na América Latina, porque os vencedores seriam as forças extremistas - estilo guerra fria e oposição”.

Isso fortaleceria, segundo ele, também a intervenção na Colômbia. “A Venezuela seria certamente uma base militar para fortalecer a tentativa de resolução militar nos conflitos colombianos. A vitória de Hugo Chávez, ao contrário, significaria o fortalecimento do processo de integração”, afirma. Emir Sader, que também é professor da USP, explica que esse fortalecimento ocorreria “não só pelo Mercosul, que enfraqueceria a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), mas também porque eles têm uma proposta, por exemplo, de criação de uma empresa estatal de petróleo continental, onde entrariam a Petrobrás e a Pemex (estatal mexicana de petróleo)”.

E completa: “Além disso, há um intercâmbio muito saudável entre Venezuela e Cuba. Um modelo comercial justo, em que cada país dá o que tem, não aquilo que é valorizado no mercado internacional. Neste caso, a Venezuela tem petróleo e dá petróleo, Cuba tem técnicos em educação, saúde e esportes e dá o que tem”.

Situação interna

O venezuelano Rafael Villa lembra outra conseqüência importante, dentro da Venezuela: “O que está em jogo também no referendo é a correlação de forças dentro do sistema político daquele país. Isso porque em setembro haverá eleições para deputados e para governadores. Em fevereiro, mais eleições, para vereadores e para os alcaides (que equivalem aos prefeitos no Brasil). Então, quem ganhar o referendo terá uma vantagem muito grande e certamente terá maioria na Assembléia Nacional, nos estados e nos municípios. De alguma maneira a oposição caiu numa armadilha. Se perderem, diminui muito sua possibilidade de crescimento, porque terão que reconquistar espaço. Isso não é muito bom para o sistema político venezuelano, porque diminui a possibilidade de se ter uma sociedade política mais pluralista.”

Emir Sader, entretanto, vê uma possível vitória de Chávez de maneira mais otimista. “O governo dele é claramente apoiado pelos setores mais pobres da população. Pela primeira vez, as massas têm capacidade de organização, se mobilizam. São elas as privilegiadas pelos 30% de royalties sobre o diesel do petróleo, que o governo investe em políticas sociais. É claramente uma luta de classes na Venezuela, uma luta de pobres contra ricos. E os pobres, pela primeira vez, têm a possibilidade de ação autônoma e de serem favorecidos por essa política. A vitória seria também um avanço em termo de democracia social na Venezuela”, afirma.

Derrota

O diretor do Núcleo de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UNB), Alcidez Vaz, pondera que “a derrota do Chávez abre espaço para que a oposição se organize”. De qualquer forma, segundo ele, “qualquer dos resultados comporta possibilidades de recrudescimento, que elevem ainda mais a temperatura política a níveis de violência, como já ocorreu no passado”. Essa tendência, afirma, é particularmente preocupante no contexto atual da América Latina, “em que temos um conjunto de democracias fragilizadas e de crises de governabilidade e legitimidade”.

A deputada federal Maninha (PT-DF), que já está na Venezuela como observadora parlamentar, afirmou que, independente de Chávez ganhar ou não, a situação fica favorável para ele. Ela explica que, em caso de vitória, “ele sai extremamente reforçado, fortalecido, porque esmaga a oposição”. Mas, se perde, em um mês é convocada nova eleição, e o presidente pode concorrer. “Em qualquer situação, do ponto de vista do resultado político, quem sai ganhando nesse processo é sempre o presidente Chávez”.

Segundo Maninha, a oposição não tem um líder e não tem um programa de governo a apresentar para a população, algo que, segundo ela, o atual governo tem. “Acho que a situação para o presidente Chávez é muito mais confortável do que para a oposição”, ressaltou a deputada.
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUNDO MEDONHO
'Pago boleto, compro calcinha': usuários de aplicativos de paquera relatam apuros e curiosidades
FAMOSIDADES
Belo sai de casa após flagrar traição de Gracyanne
ASSASSINATO
PM é torturado e morto após circular boato de que seria 'estuprador'
JULGAMENTO
PMs acusados de chacina taparam câmera de segurança antes do crime
CASO DE POLÍCIA
Catador de reciclável recebe mochila com bebê congelado dentro
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo morre após carro bater em árvore em rodovia de MS
FAMOSOS
David Brazil causa ao expor bumbum de Anitta sem ela saber
ACIDENTE FATAL
Câmera de segurança registrou acidente fatal de enfermeira. VEJA O VÍDEO
MONSTRUOSIDADE
Homem que matou mãe e filha em Cascavel escreveu carta. Bebê tomou mamadeira “batizada”
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mulher e marido são presos suspeitos de estuprar menina de 11 anos que dormia na casa deles