Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 20 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Fiesp constata aumento do consumo no mercado interno

18 Set 2004 - 07h37
As exportações continuam impulsionando a geração de empregos na indústria paulista, mas o aumento do consumo no mercado interno também é um fator de destaque, conforme avaliação do diretor do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos da Fiesp (Depecon), Cláudio Vaz, durante a divulgação dos resultados do nível de emprego industrial paulista em agosto.

“A exportação teve um papel predominante. As exportações de produtos industrializados, no acumulado de janeiro a agosto, cresceram praticamente 40%. Ela foi o grande motor dessa fase de crescimento e também do crescimento do emprego”, afirmou.

Vaz disse que o consumo no mercado interno dos bens duráveis aumentou desde o início do ano. “Um crédito um pouco mais barato e mais alongado permitiu o consumo de veículos, celulares, televisores, geladeiras e DVD’s em boa proporção”, disse.

Segundo o diretor da Fiesp, alguns segmentos da indústria paulista já estão priorizando o mercado interno. “O setor siderúrgico poderia estar exportando mais e começa a dar uma prioridade ao mercado interno. Também alguns bens de consumo, especialmente celulares, que foram surpreendidos por um crescimento que, já se fala, pode ser até próximo de 80% neste ano. Nesse caso, os contratos de exportação não estão mais crescendo e vem sendo dado um atendimento prioritário ao mercado interno”, afirmou.

O atendimento ao mercado interno, de acordo com Vaz, não ameaça o equilíbrio da balança comercial (diferença entre exportações e importações), “simplesmente mostra que os setores industriais, mesmo aqueles que têm alto grau de utilização, sabem que o mercado interno é sua base de referência. Quem perde cota de mercado no mercado interno depois tem uma imensa dificuldade de recuperá-la. Não é nenhum tipo de valor tão expressivo que possa colocar em risco a exportação ou o saldo da balança comercial”.

Vaz informou que a indústria paulista está mais otimista do que nos anos anteriores, porque este ano não foi afetada por turbulências na economia: “Não podemos esquecer um 2001 marcado primeiro pelo ‘apagão’ e depois pelo (ataque de) 11 de setembro; um 2002 que foi um ano de transição política, quando vivemos momentos muito instáveis na economia, e um 2003 que, até julho, foi marcado por uma política de juros extremamente altos e de forte restrição ao consumo”.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 TETO
Na busca por emprego, homem 'mora' em abrigo de papelão
PÂNICO NO ÔNIBUS
Atirador de Elite mata homem que fez reféns em ônibus
AGORA DEU MEDO
Velório é interrompido após morto 'apertar' mão da esposa
TRAGEDIA NA RODOVIA
Três pessoas morrem em acidente envolvendo carro e caminhão na BR-277
FATALIDADE
Jovem mulher morre ao levar choque usando o secador de cabelos
ABSURDO - BRASIL
Mulher mata o marido a facadas e leva pênis para a amante dentro de um copo
MORTE E COMOÇÃO
Jovem caminhoneira morre em acidente e comove colegas de toda a região
FACULDADE
Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar
MUITA FUMAÇA
Crianças passam mal em incêndio que dura três dias
VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA