MEGA_OKA_CARROS_
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 17 de Outubro de 2017
DELPHOS_FULL
14 de Outubro de 2004 07h31

Estado inaugura às nove horas Centro Tecnológico do Couro

Ao inaugurar o Centro Tecnológico do Couro nesta quinta-feira, às 9h, em Campo Grande, o governo estadual coloca Mato Grosso do Sul na liderança da região Centro-Oeste em pesquisas científicas para melhoria constante da qualidade do produto. Os governos federal e estadual investiram R$ 1,8 milhão no projeto até o momento, mas para atingir os objetivos propostos o centro conta com parceiros importantes: Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Gado de Corte), serviços do Sistema S [Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial),Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar)], Federação das Indústrias (Fiems), sindicatos das indústrias do couro, da carne e dos calçados, Universidade Federal (UFMS) e Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp).

O CTC foi construído em área cedida pela Embrapa, na saída para Aquidauana. As obras iniciaram em janeiro do ano passado e custaram ao Estado em torno de R$ 530 mil. Consistem em um depósito de materiais, um barracão de 500 metros quadrados que abriga os equipamentos para curtir o couro, um poço artesiano e três sistemas de tratamento de efluentes que garante o reaproveitamento total da água utilizada e risco zero de contaminação ambiental, assegura o coordenador do projeto, Edson Espíndola Cardoso.

“É uma iniciativa inovadora, a primeira da região Centro-Oeste, um exemplo de que é possível operar um curtume em larga escala fazendo o reciclo e o reaproveitamento integral dos produtos químicos e da água usados no processamento.” Nos três Estados do Centro-Oeste (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás) estão concentrados 36% do rebanho bovino do País.

O centro se destina à pesquisa científica para melhoria da qualidade do couro bovino, assessoramento e prestação de serviços técnicos, formação e capacitação de mão-de-obra à indústria de curtimento de peles. A idéia é oferecer cursos de pós-graduação em parceria com as universidades para profissionais da área que pretendam se especializar na tecnologia de curtimento.


Processo - O Centro de Tecnologia do Couro será implantado em duas fases: na primeira o produto é beneficiado até o estágio wet blue (curtimento) e na segunda é amaciado e recebe o tratamento final para ser utilizado pela indústria. Edson Cardoso explica que, por enquanto, o CTC vai operar apenas nessa primeira fase. Será necessário construir outro pavilhão de 670 metros quadrados quadrados e investir em mais equipamentos para se chegar ao beneficiamento total do couro, o que está previsto no projeto, mas sua implementação depende de recursos do governo federal.

O centro tem capacidade para processar até três mil peles por dia, porém não deve atingir esse volume de imediato, já que o objetivo é estudar minuciosamente as alterações que sofrem o produto em cada etapa e buscar a melhoria constante da qualidade. Na primeira etapa o couro chega fresco ("verde") do frigorífico, passa por uma máquina chamada descarnadeira em que são retirados os resíduos de sebo, sangue e carne. Em seguida passa para os fulões de curtimento, que são grandes compartimentos giratórios. No primeiro o couro é revolvido em produtos químicos entre seis e oito horas para a extração dos pelos. No segundo é curtido em tanino vegetal ou cromo, que lhe confere a cor azulada.

Uma vez curtida, a pele passa por outra máquina que a divide ao meio na espessura. A parte exterior (epiderme) é a mais nobre e se destina à confecção de calçados, bolsas, roupas. A parte interior (raspa), mais rústica, se transforma em sola de sapatos ou produtos dessa linha. Nas etapas seguintes, a pele já dividida será tingida pela recurtidora, nivelada pela rebaixadeira, deixando-a com espessura igual em toda a extensão, e, por fim, cortada. O couro foi transformado, assim, em wet blue, denominação que recebe por estar úmido e pela cor azulada.

 

 

APn


Comentários
Veja Também
LÉO_GÁS_300
MBO_SEGURANÇA_300
Nossa_Lojas
Últimas Notícias
  
REINO_MATRÍCULAS_2017
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.