Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Energia elétrica de Campo Grande é a mais cara do País

7 Jul 2007 - 05h51

Os consumidores de Campo Grande (MS) pagam a tarifa mais elevada entre as capitais estaduais e o Distrito Federal. O valor cobrado pela Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (Unersul) pelo KWh na capital sul-mato-grossense é de R$ 0,43364.

Em Belo Horizonte (MG) e Palmas (TO), o quilowatt hora também supera os R$ 0,40. Na capital mineira, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) cobra R$ 0,43315. Em Palmas, a tarifa da Companhia de Energia Elétrica do Tocantins (Celtins) é R$ 0,42854.

Segundo Alexandre Pedroza Monteiro Lopes, técnico da Superintendência de Regulação Econômica da Aneel, a tarifa em Mato Grosso do Sul é a mais cara do país devido às “diferenças no custo de distribuição de energia”. “Em São Paulo, você tem uma carga muito concentrada de consumidores. Já em Mato Grosso do Sul, a carga é dispersa.”

Impostos

Além do custo pelos quilowatts hora utilizados, a conta de luz tem a incidência de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), tributo que variam de estado para estado, do PIS/Pasep e do Cofins, cobrados pelo governo federal sobre a receita bruta das empresas.

Por exemplo, um consumidor residencial normal em Palmas (TO), em que o custo do KWh é de R$ 0,42854, pagaria R$ 62,21 se gastasse 100 KWh no mês, segundo simulação da Celtins. O valor corresponderia a R$ 42,85 (consumo), R$ 15,55 (ICMS), R$ 0,68 (PIS/Pasep) e R$ 3,13 (Cofins).

Outra simulação feita pela Saelpa, da Paraíba, para os consumidores da capital João Pessoa. O custo do KWh é de R$ 0,35179, mas um consumidor que gastasse 100 KWh em um mês, gastaria, segundo a Saelpa, R$ 45,38, incluindo o ICMS, PIS e Cofins.

Em Boa Vista (RR), onde o KWh custa R$ 0,30101, o consumidor pagaria, contando os impostos, R$ 38,47 se utilizasse 100 KWh no mês. Já em Cuiabá (MT), considerando um gasto de 200 KWh no mês, o consumidor residencial normal pagaria R$ 91,52, segundo a Cemat.

Além do ICMS, PIS e Cofins, segundo a Aneel, os consumidores pagam na conta de luz a Taxa de Iluminação Pública (TIP), que é de competência estadual, e o Encargo de Capacidade Emergencial (ECE), que foi instituído com o objetivo de evitar eventual risco de desabastecimento de energia.

 

 

RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos