Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 24 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Drogas contra a Aids podem conter vírus, diz estudo

5 Ago 2004 - 17h53
Um estudo feito em Taiwan revelou que dar drogas anti-retrovirais a pessoas infectadas com o HIV pode reduzir a transmissão do vírus.

Os pesquisadores da Universidade Nacional de Taiwan dizem que há forte evidência de que o tratamento é uma forma efetiva de controlar a epidemia.

Em 1977, Taiwan começou a oferecer, gratuitamente, drogas anti-retrovirais modernas, de grande eficácia, a portadores do vírus.

Os pesquisadores dizem que, desde então, os índices de infecção caíram pela metade.

Comportamento

Nesse meio tempo, a incidência de outras doenças transmitidas sexualmente, como gonorréia e sífilis, permaneceu constante.

Isso prova, dizem os pesquisadores, que é realmente a droga, e não uma mudança no comportamento das pessoas, que está causando a diferença.

Estudo após estudo mostra que drogas anti-retrovirais modernas mantêm portadores do HIV vivos, contendo os níveis do vírus no corpo do paciente.

Se isso também reduz a probabilidade de esses pacientes passarem o vírus a outras pessoas é uma questão que vem sendo debatida à exaustão pelos cientistas.

O novo estudo, mencionado no Journal of Infectious Diseases, oferece as evidências mais concretas já obtidas até agora.

Especialistas não vinculados ao estudo dizem que a pesquisa oferece mais uma razão para a introdução de drogas anti-retrovirais em países em desenvolvimento assim que possível.

Mas enfatizam que outras medidas de controle, como educação e distribuição gratuita de preservativos, são necessárias para uma redução do índice atual de novas infecções no mundo, que é de 5 milhões de pessoas por ano.

O editor do UK National Aids Manual, Keith Alcorn, disse: "Este estudo mostra que, em um país com uma epidemia relativamente pequena, introduzir logo o tratamento pode conter o alastramento do HIV".

"Resta saber se isso terá o mesmo efeito em países como a África do Sul, onde uma em cinco pessoas está infectada e onde o tratamento vai começar em um estágio mais avançado da epidemia".

"Os pontos importantes são garantir que o tratamento será iniciado rapidamente e oferecer todo o apoio de que as pessoas precisam para tomar seus remédios todos os dias", concluiu Alcorn.
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico