Menu
SADER_FULL
domingo, 15 de setembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Dólar cai 0,55% mas acumula alta de quase 1% na semana

15 Out 2004 - 16h09
O dólar encerrou a sexta-feira com baixa de 0,55%, a R$ 2,857 na venda. Na semana, porém, a moeda acumulou alta de 0,98%.

Uma das principais preocupações da semana foi a trajetória do preço do petróleo no mercado internacional, que continua subindo e registrando sucessivos recordes.

Os negócios foram prejudicados também durante esta semana pelo feriado nos EUA (Dia de Colombo), na segunda-feira, e no Brasil (Nossa Senhora Aparecida), na terça-feira.

Na segunda-feira, quase todos os mercados funcionaram nos EUA, mas não houve negociação com títulos de dívidas, o que deixou o Brasil sem referência. Com os feriados, há uma queda no volume de negócios.

Para Jorge Kattar, do banco Rabobank, depois de duas altas consecutivas, é normal que o dólar recue. De acordo com ele, o mercado está buscando um novo patamar para a moeda.

Na mínima do dia, o dólar foi negociado hoje a R$ 2,853 (baixa de 0,69%) e, na máxima, a R$ 2,896 (alta de 0,80%).

O discurso do presidente do Fed (Federal Reserve, BC norte-americano) foi considerado "leve" e "otimista" por alguns analistas.

Greenspan disse, entre outras coisas, que a atual disparada nos preços do petróleo terá menos impacto na inflação do que os choques ocorridos nos anos 70.

O executivo destacou que os preços de hoje representam apenas cerca de 60%, em termos reais, do pico atingido em 1981.

Mas, segundo ele, se o petróleo continuar subindo as conseqüências, certamente, serão negativas. "É evidente que os riscos de conseqüências negativas se intensificarão se os preços do petróleo aumentarem de maneira significativa", disse.

Para Greenspan, a economia global irá se ajustar à recente alta do petróleo, por meio do aumento da exploração e produção e com o ganho da eficiência dos combustíveis derivados do petróleo.

Petróleo

O petróleo, no entanto, bateu mais um recorde hoje. O barril do produto cru para entrega em novembro, negociado na Bolsa Mercantil de Nova York, atingiu hoje o recorde absoluto de US$ 55 pouco antes do encerramento da sessão desta sexta-feira.

Ao fechar, o preço cedeu um pouco e ficou em US$ 54,93, alta de 0,31% e novo recorde para um fechamento.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO DE POLÍCIA
Catador de reciclável recebe mochila com bebê congelado dentro
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo morre após carro bater em árvore em rodovia de MS
FAMOSOS
David Brazil causa ao expor bumbum de Anitta sem ela saber
ACIDENTE FATAL
Câmera de segurança registrou acidente fatal de enfermeira. VEJA O VÍDEO
MONSTRUOSIDADE
Homem que matou mãe e filha em Cascavel escreveu carta. Bebê tomou mamadeira “batizada”
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mulher e marido são presos suspeitos de estuprar menina de 11 anos que dormia na casa deles
SUPERSTIÇÃO
Primeira sexta-feira 13 do ano com noite de lua cheia pode ser perigosa, alerta taróloga
ESPORTE
Poderá o poker se tornar olímpico?
BORA PRA BONITO - MS
Conheça as belezas do Parque das Cachoeiras em Bonito (MS)!
FAMOSIDADES
Vera Fischer é vista brigando em hotel, e uso de bebida alcoólica preocupa amigos