Menu
SADER_FULL
terça, 19 de março de 2019
prefeitura VICENTINA Março 2019
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Deputado João Grandão vai lançar Livro dia 22 para professor

9 Set 2004 - 10h21

O deputado federal João Grandão (PT-MS), vai lançar no próximo dia 22 de setembro às 09h no auditório do Alphonsus Hotel, o livro “Rompendo Silêncios – A História da África nos currículos da educação básica”, do qual é um dos co-autores.

O livro será lançado durante a 1ª Conferência Sobre a História da África com apoio do Sindicato dos Professores de Dourados (SIMTED) e deverá reunir educadores e diretores de escolas do município.

No livro, João Grandão escreveu o artigo intitulado “Ensino de História da África busca reparar 500 anos de opressão” onde aborda questões relevantes sobre a inclusão desta matéria no currículo das escolas brasileiras. O parlamentar é professor licenciado de história da Rede Estadual de Ensino e coordenador do Núcleo de Parlamentares Negros (NUPAN) na Câmara Federal e é um ativo militante em defesa da luta em torno das questões raciais e étnicas.

O livro que será lançado conta com dezenas de artigos sobre o ensino da história da África e foi prefaciado pela ministra Matilde Ribeiro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR).

Já confirmaram presenças na Conferência sobre a História da África, o ex-deputado federal Bem Hur Ferreira, autor da Lei 10639 de 9 de janeiro de 2003 que obriga a inclusão do ensino da História da África nas escolas brasileiras; o prefeito Laerte Tetila; o líder do movimento Negra Atitude, Vander Nishijima;  a coordenadora da CPPIR-MS, Ana Sena e a professora Maria José Rocha que proferirá a palestra intitulada “A História do Negro no Brasil e a importância da Lei 10639”.

REPARAÇÃO

O deputado João Grandão afirma que “o Ensino de História e cultura Afro-Brasileira e Africana nas escolas públicas brasileiras atende a uma reivindicação de várias décadas do Movimento Negro e representa mais uma vitória na luta contra o racimo e pelo fim da desigualdade social e racial.
Sabemos que a escola tem um papel preponderante na tarefa de educação das novas gerações nas relações étnico-raciais. Creditamos este avanço ao Governo Lula, que, desde o seu início, demonstrou preocupação com a criação de políticas de promoção da igualdade racial, de reconhecimento e valorização das Ações Afirmativas para a raça negra. Registre-se a criação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) com status de Ministério”.

O Ensino da História e Cultura afras, segundo o professor João Grandão, contribuirá para que os descendentes de africanos negros rompam com um ciclo de danos psicológicos, materiais, sociais, políticos e educacionais perpetrados pela elite branca desde o regime escravista, bem como em virtude de políticas explícitas ou veladas de branqueamento da população, de manutenção de privilégios exclusivos para grupos com poder de governar e de influir na formulação de políticas.

No artigo que está no livro, João Grandão explica que os cinco séculos de opressão imposta à raça negra e seus descendentes serão analisados nas escolas brasileiras a fim de que a sociedade realmente tenha consciência de que a sociedade realmente tenha consciência do que a escravidão representou e representa para o Brasil.
”Cabe ao Estado brasileiro promover e incentivar políticas de reparações, no que cumpre o disposto na Constituição Federal, artigo 205, que assinala o dever do Estado de garantir indistintamente, por meio da educação, iguais direitos para o pleno desenvolvimento de todos e de cada um, enquanto pessoa, cidadão ou profissional”.

O parlamentar petista diz que a Lei 10.639/2003, que alterou a Lei 9.394/1996 e estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileiras e africanas, requer mudança nos discursos, raciocínios, lógicas, gestos, posturas, modo de tratar as pessoas negras.

João  Grandão diz que é importante desconstruir o mito da democracia racial na sociedade brasileira, mito este que difunde a crença de que os negros não atingem os mesmos patamares que os não-negros por falta de competência ou de interesse, desconsiderando as desigualdades seculares que a estrutura social hierárquica estabelece para os negros.
A questão racial, na opinião de João Grandão, não é assunto de negros para negros, mas de todas as pessoas que querem uma sociedade mais justa e mais fraterna.

 

Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSÉDIO SEXUAL
Homem é morto a tiros após assediar mulher casada
FATALIDADE
Mulher morre ao cair de pé de abacate e bater cabeça na linha do trem
MANIACO SEXUAL
Pai flagra estupro da filha dentro de casa usando o celular, suspeito foi preso
FAMOSIDADES
Quem era Bettina antes do R$ 1 Milhão: Ela foi professora de balé, modelo e panfleteira
MENTOR DO MASSACRE
Polícia de Suzano apreende menor suspeito de planejar ataque
INTERNADO
Criança de 4 anos cai em poço de cinco metros de profundidade
RESGATADO
Cão abandonado em ilha estava sendo comido vivo por urubus
SEXTUPLOS
Americana dá à luz seis bebês em nove minutos
TRAGÉDIA EVITADA
Garoto de 11 anos leva faca na mochila para matar colega no ônibus escolar
ALERTA AOS PAIS
Menino de quatro anos corta os pulsos em Goioerê e pode ser influência da Momo