Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 17 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Crônica "Por Um Copo D'Água Gelada" por Gilberto Mendes

28 Ago 2007 - 11h14

POR UM COPO D’ÁGUA GELADA...

 

por Gilberto Avelino Mendes

 

O rapaz encostou a mão nas grades; o corpo, todo ele, escorado na parede de concreto, fria parede de concreto. Olhou à sua frente, mais paredes; ao seu lado, mais grades; estava parado no grande corredor de cadeia, a longa estrada que encaminha todos os sonhos ao cárcere.

Olhei para os seus olhos, ele estava abatido; reclamou de dores aqui e ali. Percebi que o físico não doía tanto assim, seu abatimento, seu maior martírio era n’alma, a cadeia destrói os espíritos antes de arrebentar com os corpos.

Enquanto aguardava a enfermeira, ficou ali, conforme lhe foi ordenado, nesta espera casual, nesta fresta da grande expectativa pela liberdade. Estas pequenas lacunas no cotidiano entre grades são muito valorizadas na cadeia, elas dão importância ao seu protagonista, qualquer coisa, por mais tola que pareça, que quebre a rotina enclausurada, é festejada.

Com algum cuidado, passou o olhar pelo ambiente: a um canto qualquer, as velhas e puídas cadeiras, e ainda tão úteis; sobre uma carteira escolar aposentada forçosamente, alguns papéis para anotações e uma caneta; os agentes todos espalhados, atentos, absortos nos movimentos da cadeia, esquecidos de suas próprias vidas; recostado à parede, a garrafa plástica com água gelada. De tudo o que viu, notei, seus olhos pousaram excitadamente sobre a água gelada. Fixou-se nela em um flerte estranho. Conversou comigo, banalidades. Algumas informações lógicas, algumas efemérides gastas, todas recepcionadas com a alegria alvissareira de novidade, vive-se tempos onde o mundo exterior não alcança este lugar perdido com seus espectros tecnológicos. A cadeia não faz parte mesmo deste mundo, existe em uma outra dimensão.

Depois destes preâmbulos verbais, instrumentos que prepararam o caminho à grande investida, ele pediu-me um copo d'água gelada. Pareceu comum, mas não o foi. O pedido saiu com tons de apelo, uma súplica justificada pela longa estiagem de sorver um gole d’água gelada. O atendi e ele pegou o pequeno copo descartável como se tomasse em suas mãos o cálice sagrado, o Graal. Bebeu o primeiro gole, com idolatria; o segundo, foi com os olhos fechados como se assim sentisse mais intensamente a temperatura da água, como se dessa forma a sensação prolongar-se-ia indefinidamente. Até um simples copo d’água gelada pode servir de catalisador para grandes emoções na cadeia, que mundo miserável este que nos furta a rotina da simplicidade, que nos cerceia destas pequenas felicidades que no mundo comum, não valorizamos.

Ao tomar a água agradeceu, não por protocolos ou obrigação, agradeceu com sentimento de gratidão sincera, vi isso em seu olhar!

Aprendemos muita coisa na cadeia e, a maioria destas coisas, é descartável, todavia, naquele dia, este interno e um simples copo d’água gelada renovaram-me uma antiga lição que aprendi com Cecília Meirelles: a felicidade vive mesmo nas pequenas coisas....

 

 

Visitem o blog do autor: http://nelmezzodelcammim.blogspot.com/

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'
ALERTA
Smartphone afeta a saúde mental, e o dano pode começar em crianças de 2 anos!
TRAGÉDIA
“Tentei socorrer ele, mas não deu certo”: conta filho de motociclista levado por enxurrada
FURIA DA NATUREZA
Enxurrada derruba casa e provoca pânico e destruição
NOVELA GLOBAL
Gabriel e Valentina viram inimigos mortais em 'O sétimo guardião'
REALITY SHOW
BBB 19 começa hoje. Na Rocinha Casa de Darnrley vira "QG" de Torcida
POSSE DE ARMAS
Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas
HEROINA
Professora Helley, que salvou crianças de incêndio em Janaúba, é homenageada e dá nome a rodovia
FAMOSIDADES
Doente, José Mayer foi esquecido pela Globo e abandonado por ‘Amigos’