Menu
SADER_FULL
terça, 28 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
SEPULTADOR

Coveiro do Cemitério do Caju enterrou a própria mãe, um filho e a ex-mulher

Estima-se que o rito de enterrar corpos após a morte seja uma das atividades mais antigas do mundo.

10 Dez 2019 - 13h59Por Extra

Estima-se que o rito de enterrar corpos após a morte seja uma das atividades mais antigas do mundo. Por isso, o ato de despedir-se de alguém e deixá-lo sob a terra faz com que o ofício do sepultador seja um dos mais longevos da humanidade. O sepultador — o Cemitério do Caju adota este termo em vez de “coveiro” como forma de valorizar a profissão — Ubirajara da Silva, de 48 anos, tem muitas histórias a contar, apesar do pouco tempo de profissão. Em dois anos, ele enterrou a mãe, vítima de um enfisema pulmonar, a ex-mulher, que teve câncer, e um dos filhos, assassinado durante uma briga de rua.

— A proximidade com a morte mudou a percepção sobre ela. Hoje, sinto mais a dor das famílias. O dia em que eu deixar esse sentimento de lado, eu vou deixar de ser humano. Não somos uma máquina. Nós também nos emocionamos com as histórias — conta.

Leonardo Santana, de 25 anos, trabalha como sepultador há dois. Durante esse tempo, foram muitos os momentos onde ele precisou controlar a emoção ou lidar com situações de desespero das famílias. Assim como ele, dezenas de outros funcionários da necrópole lidam diariamente com a morte e tratam do assunto com naturalidade.

— É uma profissão como outra qualquer. O trabalho de sepultador causa estranheza em algumas pessoas, mas é preciso desmistificar esse assunto: todo mundo vai morrer, e o cemitério não é um lugar tão sombrio quanto pensam. Lidar com o fim de uma vida é uma grande responsabilidade.

E para quem uma média de 15 sepultamentos por dia, as lembranças são muitas.

— Já presenciei corpos caindo porque o caixão quebra no meio do sepultamento, famílias que reclamam e exigem uma cova sete palmos abaixo da terra (a profundidade normal é de 80 centímetros) e até parentes que pegam a coroa de flores da cova ao lado e a colocam sobre a sepultura do seu ente — conta Leonardo, destacando que, nesses dois anos, nunca viu fantasmas no Cemitério do Caju. — Assombrações só aparecem para quem acredita nelas, e eu, definitivamente, não creio em coisas sobrenaturais.

Vergílio: 50 anos no Caju como capeleiroVergílio: 50 anos no Caju como capeleiro Foto: Pedro Teixeira / Agência O Globo

Há 55 anos trabalhando no Cemitério do Caju, o maior do Rio de Janeiro, o capeleiro Vergílio Fernandes, de 80 anos, conhece cada canto da necrópole. Segundo ele, a profissão de capeleiro veio por acaso para a sua vida.

— Desde 1964 eu atuo nessa função, de receber as famílias que chegam, conduzir os parentes às capelas e controlar a saída de corpos para enterros. No início, era mais difícil lidar com a emoção; hoje, eu sei lidar. Se vejo que vou me emocionar, me afasto e reencontro a concentração — conta.

Em meio século, são muitas as recordações.

— O enterro que mais trouxe pessoas ao Caju foi o do cantor Paulo Sérgio, morto em 1980. Os de Tim Maia, do técnico do Flamengo e da seleção Cláudio Coutinho e o da Dona Neuma, considerada a primeira-dama do samba, também tiveram grande comoção — enumera ele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Cinco pessoas de uma mesma família morrem afogadas em rio
AÇÃO CRIMINOSA
Mecânico embriagado atropela 17 pessoas matando duas
FAMOSIDADES
Ana Maria Braga revela que foi diagnosticada com câncer de pulmão novamente
FAMOSIDADES
Tom Veiga, intérprete do Louro José, casa-se de novo, dois anos após separação
REALITY SHOW 2020
Boca Rosa e Lucas Chumbo se enfrentam no primeiro paredão do 'BBB20'
TRAGÉDIA EM BH 38 MORTES
MG tem 47 cidades em emergência por causa da chuva; 38 morreram
TRAGÉDIA EM BH
Chuva forte provoca 30 mortes, transtornos e alagamentos na Grande BH
ATENTADO
Casa de deputado é atacada com pelo menos 30 tiros de fuzil
SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
SUSTO
Palco de Gusttavo Lima pega fogo durante show em Pernambuco