Menu
SADER_FULL
RIO_DOURADOS
Busca
SUCURI_MEGA
Brasil

BC mantém a expectativa de inflação em alta

12 Jul 2004 - 09h14
O Banco Central informou hoje que as expectativas do mercado financeiro elevam o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 7,05% no ano. É a nona semana consecutiva em que os consultores e analistas de mercado aumentam as perspectivas de inflação, cuja meta oficial é de atingir 5,5%. Em grande parte, essa evolução decorre do peso de reajustes das tarifas públicas, que há um mês eram estimados em 7,50% no acumulado do ano, e agora sobe para 8%.

Os demais índices de inflação pesquisados pelo BC, segundo a pesquia divulgada pelo BC, oir meio do Boletim Focus, também mostram evoluções na semana. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe), no município de São Paulo, subiu de 6,07% para 6,34%; o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) passou de 11,04% para 11,05%; e o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) foi de 10,97% para 11,12%.

De acordo com o mercado, a inflação deste mês deve ser a mais alta do ano, até agora, com possibilidade de encerrar o período em 0,95% - em junho registrou 0,91%. Mas os analistas apostam em uma redução significativa a partir de agosto, quando os reajustes de tarifas como energia e telefonia terão menor reflexo, e acreditam num IPCA de 0,59% para o próximo mês.

Enquanto isso diminuem cada vez mais as expectativas com relação à possível redução da taxa básica de juros, que está em 16% ao ano. O mercado estima que a Selic permanecerá igual pelo menos até setembro, com possibilidade de queda de apenas 0,75 ponto percentual até o fim do ano.

A boa nova da pesquisa diz respeito ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Depois que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou, na semana passada, o “bom comportamento” da indústria, que dá evidentes sinais de recuperação continuada, os analistas de mercado que olhavam com pessimismo a meta de 3,50% no ano já admitem, agora, 3,52%.

Melhor ainda: o fortalecimento da balança comercial, que deve fechar 2004 com saldo de US$ 28 bilhões, também eleva as perspectivas para 2005 para US$ 24,55 bilhões - na semana anterior era de US4 23,95 - e com isso aumentam as chances de o superávit das transações correntes deste ano subir de US$ 4,60 bilhões, na semana anterior, para US$ 5,69 bilhões, com reflexo positivo também no ano que vem, cuja previsão, até início de junho, apontava para déficit de US$ 1 bilhão, e agora reverte para superávit de US$ 300 milhões.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nodulo nos Rins
Thiago Fragoso passa por cirurgia nos rins para retirada de nódulo e se recupera bem
Novela Global
'Outro lado': Adriana e Nicolau se beijam pela primeira vez
O Apocalipse
Natália (Samara Felippo) é beijada por Dylan (Marcelo Valle) e se diverte com o jeito dele
Acerto de Contas
Mulher é assassinada e companheiro é poupado pelos bandidos
Macabro
Filho que escondeu corpo de pai pode ser indiciado por três crimes
Novela
'Deus salve o rei': Catarina (Bruna Marquezine) mata Constantino
Novela Global
'Outro lado': Gael luta contra violência doméstica no fim
Monstro
Câmera flagra irmão à procura de menina que teria sido abusada por prefeito de Bariri
Perigo do Selfie
Três garotas caem de ponte de 20 metros ao tirarem fotos em Castelo
Campanha de filiações
Prisão de Lula faz disparar filiações ao PT