Menu
SADER_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Arroz transgênico pode virar vacina anticólera

11 Jun 2007 - 17h36

 

Uma nova vacina feita com base em arroz poderá dar aos países em desenvolvimento um tratamento barato e eficaz contra a cólera, informaram nesta segunda-feira cientistas japoneses. Ao contrário das injeções convencionais contra a cólera, que precisam ser refrigeradas até a inoculação, a vacina de arroz geneticamente modificado pode durar vários anos à temperatura ambiente.
Isto tornará o tratamento experimental não só mais barato, mas também mais fácil de distribuir em locais afetados pela cólera, como África, América Latina e algumas partes da Ásia. Os custos da chamada "cadeia de frio" podem rondar os US$ 200 milhões a US$ 300 milhões ao ano, segundo os autores do estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

"As vacinas baseadas em arroz oferecem uma estratégia muito prática e efetiva do ponto de vista dos custos para vacinar oralmente grandes populações contra infecções da mucosa, inclusive as causadas por ato de bioterrorismo", afirmaram. Em testes preliminares feitos em ratos, a nova vacina gerou uma imunidade superior de "dois níveis", provocando a resistência normal do corpo, mas também anticorpos nas mucosas de nariz, boca e trato urinário.

A equipe japonesa criou a vacina inserindo parte da bactéria da cólera, o Vibrio cholerae, na planta de arroz Kitaake. O arroz transgênico foi dado como alimento para os ratos, em forma de pó. Provas posteriores mostraram que os ratos desenvolveram imunidade à variedade do cóleta, que habitualmente se transmite pela comida ou água contaminadas.

A doença infecciosa causa diarréia aguda, que pode provocar desidratação e choque. Se o doente não for tratado com soluções orais de reidratação, pode morrer. Os sistemas modernos de tratamento de águas residuais fazem com que a doença não seja mais um problema nos países desenvolvidos, mas ainda mata centenas de pessoas nos países pobres, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A pesquisa foi chefiada por Tomonori Nochi, do Instituto de Medicina da Universidade de Tóquio.

 

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho