Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 20 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Arquivo revela que CIA quis usar mafiosos para matar Fidel

26 Jun 2007 - 17h15
A agência americana de inteligência (CIA) divulgou na internet centenas de documentos secretos que revelam atividades ilegais da agência, incluindo um plano para assassinar o presidente cubano Fidel Castro com a ajuda de mafiosos.

Os arquivos revelam que, em 1960, a CIA recrutou Robert Maheu, ex-agente do FBI (polícia federal americana), para se aproximar do mafioso Johnny Roselli. Roselli o apresentou a mafiosos ligados a Momo Giancana, o sucessor do famoso mafioso Al Capone em Chicago.

A CIA teria dado seis pílulas de veneno aos mafiosos, que tentariam convencer cubanos ligados a Fidel a colocá-las na comida do presidente.

Parte do plano, que acabou abortado em 1961 devido à tentativa de invasão da Baía dos Porcos, já havia sido revelada pelo jornalista Jack Anderson, em 1971.

"Jóias da Família"

Entre os textos divulgados no site da CIA a partir desta terça-feira está a série de documentos conhecidos como "Jóias da Família", que detalha alguns dos piores abusos e atividades ilegais cometidos pela agência entre os anos 50 e 70.

Na semana passada, ao anunciar a abertura dos arquivos, o diretor-chefe da CIA, general Michael Hayden, disse que os documentos eram "desagradáveis, mas são parte da história da CIA".

A coleção "Jóias da Família" reúne mais de 700 páginas de respostas de funcionários da CIA à diretriz decretada em 1973 pelo então diretor da agência, James Schlesinger.

Preocupado com o envolvimento da CIA no escândalo de Watergate, Schlesinger pediu que todos os diretores da agência o informassem de qualquer atividade praticada pela CIA que desrespeitasse os preceitos legais da agência.

Os documentos divulgados agora revelam complôs de assassinatos, espionagem em território americano, grampos e seqüestros.

Outros incidentes relatados são a prisão de Yuriy Ivanovich Nosenko, desertor do serviço de inteligência soviético KGB, nos anos 60, e o uso de grampos e vigilâncias contra jornalistas, incluindo o colunista Jack Anderson.

Outra série de documentos, conhecidos como CAESAR-POLO-ESAU, contém uma série de 11 mil páginas de análises feitas entre 1953 e 1973 sobre a política interna na União Soviética e na China e as relações sino-soviéticas. Uma das análises afirma que o governo soviético fez um remanejamento apressado de cargos de alto escalão meses após a morte de Josef Stalin, em 1953, para evitar "pânico e desordem".

 

 

 

BBC Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos