Menu
SADER_FULL
terça, 22 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

André pode ir à Justiça caso vetos sejam derrubados por deputados

20 Ago 2007 - 16h52

O governador André Puccinelli (PMDB) disse nesta manhã, após ato de filiação no Diretório Regional do PMDB em Campo Grande, que pode ir à Justiça caso os deputados estaduais derrubem os vetos do Executivo a projetos aprovados pela Assembléia Legislativa. Ele ressaltou que se o Estado entender que é possível vai entrar com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e caso algum parlamentar se sinta descontente também poderá traçar o mesmo caminho.

Nesta segunda-feira, a partir das 17h30, na Governadoria, Puccinelli vai reunir-se com integrantes da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) da Assembléia Legislativa para esclarecerem dúvidas quanto aos vetos. Somente neste segundo semestre, o governador enviou para a Assembléia Legislativa 16 vetos, dos quais quatro já foram rejeitados pela CCJ, segundo a assessoria jurídica da Casa de Leis.

O governador disse ainda que não há nenhum tipo de retaliação a nenhum parlamentar, mas que alguns projetos contrariam o interesse público na visão do governo e outros são inconstitucionais. Ele negou que os vetos tenham provocado mal estar entre o governo e a base. “No mérito 99% dos projetos é válido”, diz.

Defensoria Pública

André destacou ainda que durante a reunião só serão discutidos temas ligados aos vetos, mas que podem conversar sobre outros assuntos, desde que os deputados levem a pauta para ele. Um dos assuntos que podem entrar na pauta da reunião é o projeto de lei complementar, da Defensoria Pública, que cria taxa de 5% a ser cobrada sobre custas processuais e emolumentos extrajudiciais para abastecer o Funadep (Fundo Especial para o Aperfeiçoamento e o Desenvolvimento das Atividades da Defensoria Pública).

O líder do PT na Assembléia Legislativa, Pedro Kemp, já avisou que a bancada do partido promete ir à Justiça para barrar o projeto de lei, mesmo acreditando ter votos suficientes para barrá-lo em Plenário. No dia 15, Kemp estimou em nove os parlamentares contrários ao projeto – quatro do PT, quatro do PSDB e um do DEM. Para ser aprovado, o projeto de lei complementar precisa dos votos de dois terços (2/3) dos deputados, ou seja, 16 votos dos 24 parlamentares.

O líder do PT lembrou ainda que a proposta apresentada pela defensoria é inconstitucional, já que somente o Poder Judiciário tem competência para propor tributação sobre custas processuais. A irregularidade foi constatada também pela seccional sul-mato-grossense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que emitiu nota esta semana manifestando-se contrária a criação da taxa.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação