Menu
SADER_FULL
sábado, 24 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
FOGO NO PANTANAL

Tratamento com pele de tilápia é usado em animais feridos no Pantanal

Tratamento com pele de tilápia é usado em animais feridos no Pantanal

13 Out 2020 - 17h53Por CNN em São Paulo

O ano de 2020 é o com mais queimadas no Pantanal desde 1998, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) passou a monitorar os incêndios no Brasil. Segundo os dados do instituto, já foram contabilizados 20.302 focos de calor detectados neste ano - o maior já registrado para o bioma.

Segundo o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (LASA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em nota técnica emitida em 6 de outubro, cerca de 26,2% do Pantanal já foi devastado apenas em 2020. As queimadas que seguem pelo bioma afetam a biodiversidade considerada como a “savana brasileira”, resultando na perda do ecossistema natural e de animais que compõem o cenário natural do Pantanal.

Para tratar dos animais, ONGs, voluntários e pesquisadores se uniram para pensar em formas de salvar o maior número de vidas possíveis. Uma dessas técnicas é o já reconhecido tratamento com pele de tilápia, uma iniciativa desenvolvida pela Universidade Federal do Ceará (UFC), e que foi enviada ao Líbano para tratar os queimados da explosão que ocorreu em 4 de agosto deste ano.

Por iniciativa da professora veterinária Behatriz Odebrecht, integrante da Instituição que fez o contato com a ONG Ampara Animal, o projeto do tratamento foi levado para ajudar os animais que estão sofrendo com as queimadas no Pantanal.

A equipe composta por Behatriz, o enfermeiro especialista em anexo e aplicação do curativo Silva Júnior, e Felipe Rocha, biólogo e coordenador da Missão Ajuda Pantanal e pesquisador do Projeto Pele de Tilápia, chegou a Cuiabá no dia 6 de outubro. Em entrevista à CNN, Silva Júnior contou que a veterinária fez o primeiro contato para ajudar os “pacientes silvestres”, já que ela acompanha o estudo dessa técnica em cavalos e viu excelentes resultados do tratamento, tanto em outros animais como cachorros e gatos.

Segundo Silva, após a chegada às 14h30 na capital do Mato Grosso, o plano era apenas conhecer o Hospital Universitário Federal do Mato Grosso (UFMT) para então começar os trabalhos no dia seguinte. Mas, chegando lá, foram apresentados a um animal que estava com as patas queimadas e, mesmo após o tratamento com pomada por 15 dias, os resultados apresentados não foram positivos. Eles então priorizaram o animal e começaram a usar a técnica em um dos pacientes no mesmo dia da chegada.

“Foi aí que começamos o tratamento”, disse Silva. “Em seguida, fomos apresentados para outros animais que não tinham respondido bem ao tratamento com pomada. Fomos aplicando em anta, em tamanduá, em cobra sucuri e outros animais.”

O objetivo da viagem também foi realizar a capacitação dos profissionais da UFMT que seguem tratando os animais feridos pelas queimadas no Pantanal e, assim, seguir com a técnica da pele de tilápia.

“Começamos com a breve apresentação e explicação de como funciona, como faz a aplicação, quantos dias precisa ser aberto o curativo, se precisa não repor, como precisa repor, o que fazer em todo o processo dos paciente”, explicou Silva, “então nosso objetivo maior era levar esses 130 curativos e ensinar como se faz os curativos para que as equipes possam dar continuidade a esse tratamento.”

Outros animais foram tratados 

Um dos casos que mais respondeu ao tratamento, segundo o enfermeiro Silva Júnior, foi uma anta. “A anta não tinha interesse em se alimentar, não queria ficar na água, não tinha interesse em nenhuma atividade”, contou. “Após o curativo com a pele de tilápia, encontraram ela mais disposta e dentro da água, o que nos levou a crer que aquela paciente já teve uma diminuição da dor - porque as queimaduras são lesões que causam muita dor - e um dos objetivos com o curativo é exatamente isso, diminuir a dor.”

reprodução/instagram/institutodotamanduareprodução/instagram/institutodotamandua
Tratamento com pele de tilápia é usado em animais feridos no Pantanal
Foto: Reprodução/Instagram/Instituto do Tamanduá

A terapia também ajudou um dos animais mais conhecidos como símbolos nacionais: o tamanduá bandeira. “O tamanduá brasileiro apresentava queimaduras graves nas quatro patas e após a nossa avaliação, aplicamos a pele de tilápia.”

“No dia seguinte, aplicamos em uma cobra sucuri na qual tivemos resultados excelentes”, conta Silva, satisfeito. “Nos primeiros animais que aplicamos também foi excelente.”

Com a aula e explicação dos profissionais da Universidade Federal do Ceará, a expectativa é que o tratamento continue e possa ajudar na reabilitação dos animais afetados pelas queimadas na região.

Além do tratamento no Mato Grosso, o processo também se estendeu para dar suporte e curativos aos animais do outro estado que compõe o bioma do Pantanal, o Mato Grosso do Sul.

Um tamanduá bandeira ferido pelos incêndios na região do Passo do Lontra, no estado, também recebeu o tratamento, aplicado pelos profissionais do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS) em Campo Grande. Segundo o órgão, o animal, que possui lesões nas quatro patas, está sendo tratado com membranas biológicas, uma técnica que utiliza couro de tilápia e placenta de cavalos para reconstituição da pele do animal.

O tamanduá foi resgatado na região de Corumbá e chegou no CRAS na última sexta-feira (9). 

De acordo com os profissionais que atuam na recuperação do animal, seu estado de saúde é grave, com queimaduras intensas nas quatro patas e um ferimento no focinho. As biomembranas foram aplicadas em suas quatro patas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL - LUTO
CORONAVÍRUS: Idosa é a 13ª morte registrada por covid-19 nas últimas 24h em Fátima do Sul
DOURADOS - MORTE POR COVID
Mulher morre por Covid após passar menos de um dia internada em Dourados
AÇÕES DO GOVERNO MS
Resultado do leilão da Sanesul encurta tempo de universalização e garante saúde para população de MS
SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
VAMOS AJUDAR - COMPARTILHE
Mãe faz vaquinha para custear tratamento da filha com síndrome de West em Navirai
DOURADOS
Decreto estabelece que visitantes no cemitério devem usar máscara e ter distanciamento
VITIMA DA COVID-19
Auxiliar de enfermagem perde batalha contra covid-19 em Água Clara
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
MS - 1524 MORTES
Número de pessoas internadas por coronavírus aumenta em MS e traz preocupação
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas