Menu
SADER_FULL
segunda, 23 de novembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
UNIGRAN DOURADOS
SEGUNDO EMERGENCIAL

Ministro disse se houver 2ª onda, governo recria auxílio emergencial

"Não é possibilidade, é certeza", garantiu o ministro, em evento dos supermercadistas. Porém, valor a ser pago pode ser menor, para que seja repassado ao beneficiário por mais tempo

12 Nov 2020 - 15h46Por Correio Braziliense

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu novamente que poderá prorrogar o auxílio emergencial caso haja uma segunda onda da pandemia do coronavírus no Brasil. Mas, se isso não ocorrer, espera que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça até 4% no ano que vem.

“Se houver segunda onda, não é possibilidade, é certeza (recriar o auxílio emergencial). Acredito que, se houver segunda onda da pandemia, o Brasil reagirá como da primeira vez. Vamos decretar estado de calamidade pública e vamos recriar (o auxílio emergencial)”, garantiu Guedes, nesta quinta-feira (12/11), em teleconferência da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Na terça-feira, em evento realizado pela Bloomberg, o ministro considerou essa possibilidade, mas em valores menores do que os pagos atualmente pelo benefício (R$ 300) para que isso ocorra por um período mais longo.

Durante a palestra para empresários do setor supermercadista e de parceiros, o ministro afirmou que ainda não trabalha com a possibilidade de uma eventual segunda onda, porque, na avaliação dele, “a probabilidade é baixa”. Contudo, não descarta como um plano de emergência, pois, no pacto federativo, existe uma “cláusula de calamidade pública”.

“A nossa realidade, o nosso plano A para o auxílio emergencial, é acabar em 31 de dezembro e voltar para o Bolsa Família ou para o Renda Brasil. Com a pandemia descendo, o auxílio emergencial vai descendo junto. A renovação de auxílio não é nossa hipótese de trabalho, é contingência. Com uma segunda onda, de novo nós vamos reagir da mesma forma como reagimos”, afirmou.

Período longo

Guedes lembrou que o valor do auxílio emergencial inicialmente proposto pela equipe econômica, de R$ 200, poderia ser concedido por um período mais longo, “de um ano até um ano e meio”. Mas a decisão de aumentar o auxílio para R$ 500, pelo Congresso, e, posteriormente para R$ 600, pelo presidente Jair Bolsonaro, “foi política”.

“A pandemia estava no auge, não sabíamos o efeito. No fundo, o número saiu acima do que esperávamos, de R$ 400, que já era o dobro. Mas a decisão política foi para cima. Não me arrependo. A reação foi tão boa do ponto de vista de preservação de emprego e de funcionamento da cadeia integrada, que não podemos nos arrepender dessa decisão. Foi muito boa e foi o resultado de uma democracia funcionando” afirmou o ministro.

Ele voltou a afirmar que o Brasil vai surpreender o mundo e comparou o sucesso da distribuição digital do benefício a mais de 65 milhões de brasileiros com os Estados Unidos, que enviou o cheque por correio. “Fizemos o dinheiro chegar digitalmente”, lembrou.

Surpresa

Na avaliação de Guedes, o Brasil reagiu muito bem à crise e está surpreendendo as projeções dos mais céticos. Por conta disso, não descarta o auxílio no caso de uma segunda de covid-19. “Vamos decretar estado de calamidade e, com a nossa experiência, vamos calibrando os instrumentos”, salientou.

Durante o evento, o ministro elogiou a atuação dos supermercados durante a pandemia porque evitaram a ameaça de caos social. Afinal, não houve desabastecimento de produtos nas prateleiras dos supermercados, que “mantiveram a economia em funcionamento”. Guedes ainda minimizou a recente alta nos preços dos alimentos: para ele, a inflação é “temporária e transitória”. 

Ao defender a abertura comercial, o ministro disse que o governo utilizará a redução de tarifas de importação como um instrumento “contra abusos" para a alta de preços de produtos específicos, como fez ao reduzir a taxa sobre o arroz importado. Mas pretende preservar o produtor local.

Urso faminto

Ao comentar a retomada da economia, voltou a afirmar que a atividade está voltando com força e em V, como um “urso que estava hibernando” e agora acordou.

"O urso está com fome e vai à caça", disse, ao comentar os indicadores antecedentes. Segundo ele, os dados continuam surpreendendo e a arrecadação está “extraordinária”.

“Mesmo sendo otimista, me surpreendeu a velocidade com que a economia brasileira está voltando”, observou. Para ele, sem uma segunda onda, a economia pode crescer 3,5% a 4% no ano que vem. A previsão atual do governo está em 3,2%.

 

O ministro afirmou, ainda, que a alta nos preços dos alimentos é “temporária e transitória”. E deve se acalmar com o fim do auxílio emergencial. “Estamos olhando para toda a pauta de produtos importados e vamos reduzir as tarifas do que estiver subindo o preço”, assegurou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALTA NO PREÇO
Bolsonaro diz que alta nos preços dos alimentos é consequência do "fique em casa"
CORONAVIRUS
UFPR confirma que dois cachorros testam positivo para coronavirus
AUXILIO POPULAÇÃO
Ala política defende prorrogar auxílio emergencial, mas Bolsonaro ainda não decidiu
DIAGNÓSTICO COMPROMETIDO
Bolsonaro diz que estados e municípios devem explicar testes de Covid sem uso prestes a vencer
PANDEMIA
Brasil acumula 6,07 milhões de casos e 169 mil mortes por covid-19
COMBATE AO MOSQUITO
Ação estratégica: Governo faz Dia D da campanha "Aproveite a Quarentena e Limpe o seu Quintal"
CULTURAMA CULTURAMA E FÁTIMA DO SUL
Culturama registra mais 02 positivos e chegando a 03 ativos, confira o mapeamento em Fátima do Sul
boletim covid FÁTIMA DO SUL - BOLETIM COVID-19
BOLETIM: Mais 05 casos positivos de coronavírus é registrado nas últimas 24h em Fátima do Sul
CORONAVÍRUS EM MS
Em 24 horas, MS registra sete novos óbitos por coronavírus
AUXILIO POPULAÇÃO
Auxílio emergencial é creditado para nascidos em dezembro