Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 6 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
REVELAÇÃO

'Ia dar um tiro na cara dele (Gilmar) e depois me suicidaria', conta Janot

O episódio foi lembrado pelo próprio Janot em entrevistas publicadas nesta quinta-feira pelo jornal Estado de S. Paulo e pela revista Veja.

27 Set 2019 - 07h16Por Extra

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contou que planejou matar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2017. O episódio foi lembrado pelo próprio Janot em entrevistas publicadas nesta quinta-feira pelo jornal “Estado de S. Paulo” e pela revista “Veja”. Sem citar o nome do ministro, a cena também é contada no livro “Nada menos que tudo”, escrito pelos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin. A obra será lançada pela Editora Planeta

Segundo relato à “Veja”, Janot chegou a engatilhar a arma, chegou a menos de dois metros do ministro, mas não conseguiu efetuar o disparo. O motivo da ira foi um ataque de Mendes à filha do então procurador-geral. “Esse inspetor Javert da humanidade resolveu equilibrar o jogo envolvendo a minha filha indevidamente. Tudo na vida tem limite. Naquele dia, cheguei ao meu limite. Fui armado para o Supremo. Ia dar um tiro na cara dele e depois me suicidaria. Estava movido pela ira. Não havia escrito carta de despedida, não conseguia pensar em mais nada. Também não disse a ninguém o que eu pretendia fazer”, conta.

O procurador disse que, depois de ter falhado no propósito de executar seu adversário, chamou seu secretário executivo, disse que não estava passando bem e foi embora. “Não sei o que aconteceria se tivesse matado esse porta-voz da iniquidade. Apenas sei que, na sequência, me mataria”, conclui. Mendes é um ferrenho crítico da Lava-Jato. Em sessões do STF, costuma aproveitar seus votos para atacar também Janot. Diversas vezes já chamou o procurador de bêbado e de irresponsável. Para o ministro, as denúncias apresentadas por Janot ao Supremo não são consistentes o suficiente para justificar a abertura de processo penal.

Em contrapartida, Janot já apresentou ações ao STF alegando a suspeição de Gilmar para atuar em processos. Em maio de 2017, o procurador pediu o impedimento de Gilmar na análise de um habeas corpus de Eike Batista, com o argumento de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para o empresário.

Ao se defender em ofício, Gilmar afirmou que a filha de Janot, Letícia Ladeira Monteiro de Barros, advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o ministro, a filha do procurador poderia na época “ser credora por honorários advocatícios de pessoas jurídicas envolvidas na Lava Jato”. O episódio provocou a raiva de Janot. “Aí eu saí do sério”, resumiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - ACIDENTE FATAL
AGORA: Acidente deixa vítima fatal e uma presa nas ferragens em Vicentina
VOLTA ÀS AULAS NO MS
Governo ainda não tem previsão se vai voltar com aulas presenciais em MS
100 ANUNCIOS
Covid-19: Bolsonaro ordenou atrasar boletins para não passar em telejornais
COVID-19
Micro e pequenas empresas terão acesso a crédito facilitado
VICENTINA - 48H SEM CASOS
Vicentina entra nas 48h sem registrar casos de Covid-19 e já conta com 16 pacientes recuperados
CORONAVÍRUS NO MS
Saúde testa 60 e confirma mais dois casos de coronavírus na Câmara
FÁTIMA DO SUL - ELEIÇÕES MUNICIPAIS
Dirceu Deguti assume pré-candidatura à Prefeitura de Fátima do Sul
ELEIÇÕES 2020
Vai ter eleição, TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano
ÓTIMO TRABALHO NA SAÚDE DE MS
Geraldo Resende fica no governo e não irá disputar a prefeitura de Dourados
DOURADOS - DIA SEM IMPOSTO
"Dia sem Imposto" tem fila que dobra quarteirão e gasolina 38% mais barata em Dourados