Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 4 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
mensalão

Delúbio é autorizado pela Justiça a trabalhar na CUT

17 Jan 2014 - 10h45Por Veja

Condenado no julgamento do mensalão e preso desde novembro no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares obteve na noite desta quinta-feira direito a trabalhar fora da cadeia. Ele é o primeiro mensaleiro petista a conseguir a autorização, que pode beneficiá-lo com a redução da pena de oito anos e 11 meses de prisão, dos quais seis anos e oito meses em regime semiaberto por corrupção ativa – os dois anos e três meses restantes, por formação de quadrilha, dependem do julgamento dos chamados embargos infringentes. 

Leia também: Justiça reajusta multa de Delúbio para R$ 466 mil

O juiz Bruno André Ribeiro, da Vara de Execuções Penais de Brasília, permitiu que o petista trabalhe na Central Única dos Trabalhadores (CUT), entidade sindical em que ele já atuou. Delúbio vai receber 4 500 reais por mês para assessorar a direção nacional da CUT. Na decisão, o juiz disse que o trabalho externo, "além de ser fundamental para a ressocialização do sentenciado", "é compatível com o regime semiaberto". "Não é muito lembrar que a concessão do beneplácito neste momento constitui uma possibilidade de se avaliar a disciplina, autodeterminação e responsabilidade do(a) reeducando(a) antes de uma possível transferência para um regime de pena mais avançado", observou o magistrado.

Leia mais: 
As pendências do mensalão que ficaram para 2014
Saiba quais são as penas dos condenados no mensalão

Até o momento, dos dez condenados no processo do mensalão a cumprir pena em regime semiaberto, sete pediram para trabalhar fora da cadeia. Três mensaleiros conseguiram o benefício: os ex-deputados Pedro Henry (PP-MT) e Romeu Queiroz (PTB-MG), além de Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL,(atual PR). 

O ex-ministro José Dirceu também pediu a autorização de trabalho externo. Inicialmente, tentou trabalhar como gerente de um hotel em Brasília, chegou a ser contratado, mas desistiu após a revelação de que ele registrou no Panamá uma filial de sua consultoria no mesmo endereço da empresa Morgan & Morgan, que disponibiliza laranjas para firmas estrangeiras – entre elas a Truston International, proprietária do mesmo hotel que ofereceu emprego a Dirceu.  

Agora, ele quer trabalhar na biblioteca do escritório do advogado José Gerardo Grossi, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A Justiça, entretanto, ainda não se manifestou sobre o pedido do ex-ministro da Casa Civil, apontado como líder do esquema do mensalão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo MS investe mais de R$5,3 milhões em bolsas de estudo com foco no avanço da ciência e da tecn
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
MS quer ampliar vendas de grãos para o Irã
CORONAVÍRUS NO MS
Ministério da Saúde entrega equipamentos e leitos no combate ao covid-19 em Mato Grosso do Sul
ENTREVISTA
Barbosinha sinaliza receita doméstica para boa gestão
SECA DO PANTANAL
Governo de MS socorre pecuária e garante alternativas de escoamento de commodities
INVESTIMENTOS DO GOVERNO MS
Governo equipa todas microrregiões de MS com estrutura de UTI’s-Covid
NOTA MS PREMIADA
CONFERE AÍ: 217 ganhadores da nota MS premiada podem perder R$ 620 mil
BONITO - MS - BALNEÁRIO MUNICIPAL
Balneário Municipal que reabre neste sábado em Bonito (MS), veja como funcionará
DOURADOS - PESQUISA
PESQUISA: Barbosinha lidera com ampla vantagem para Prefeito de Dourados, Veja os números
LOCKDOWN EM CIDADE DE MS
Cidade de MS adota lockdown por 7 dias após registrar 368 casos de covid-19