Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 29 de novembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
bastidores

Kia conta tudo. Da amizade com Andrés ao pulinho que deu no Itaquerão

25 Mar 2014 - 15h13

Eram tempos de vacas magras e pobreza técnica em campo. Um limitado time que chegou a passar pela zona de rebaixamento e não tinha perspectiva animadora para os anos que viriam. Mas eis que chega um desconhecido empresário iraniano de 33 anos com milhões de dólares e traz consigo a proposta de contratar nomes impossíveis para o futebol brasileiro, como as então ascendentes estrelas argentinas Tevez e Mascherano.

Com muitos questionamentos sobre seus negócios, Kia Joorabchian chegou em 2004 com a MSI ao Corinthians em uma das mais polêmicas parcerias da história do futebol brasileiro. No ano seguinte, turbinou o elenco de estrelas como a prometida dupla argentina, os meias Carlos Alberto e Roger, o lateral Gustavo Nery e o atacante Nilmar.

Como grande conquista, o Campeonato Brasileiro de 2005. Mas sobraram polêmicas. O iraniano jamais se entendeu com os dirigentes corintianos. O dinheiro da parceria "secou" e ele foi embora pouco antes do rebaixamento alvinegro, em 2007.

Até hoje muita coisa ficou sem explicação. Kia, Alberto Dualib (presidente do Corinthians na época) e outras pessoas ligadas ao clube e à MSI foram acusados de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha em investigação da justiça brasileira que já dura quase sete anos. No fim de 2013, o Ministério Público pediu absolvição de Kia, Dualib e outras três pessoas. Segundo o procurador federal Silvio Luis Martins de Oliveira, não foram encontradas provas suficientes contra os réus. O juiz que analisa o caso ainda não deu a sentença.

FILINOV FOI APONTADO COMO CHEFE DA MSI

  • Segundo Kia Joorabchian disse à justiça, o real investidor da parceria MSI/Corinthians é o russo Rafael Filinov, e não Boris Berezovsky, magnata russo morto em 2013 e suspeito de estar por trás da MSI. Na Rússia, as relações de Filinov com Boris Berezovsky são conhecidas em diversos negócios. Porém, no Brasil, a Justiça Federal ainda busca indícios do seu envolvimento com a parceria.  

Atualmente, Kia vive em Londres como uma espécie de consultor de jogadores e encabeça um grupo que gerencia carreiras. Faz o papel de intermediário de alguns atletas de clubes de ponta do país, inclusive muitos deles que integram a seleção brasileira. Tem ligação com as carreiras de David Luiz, Oscar, Paulinho e Ramires, nomes certos para a disputa da Copa do Mundo de 2014.

Em entrevista exclusiva por telefone ao UOL Esporte, Kia, que não fala com a imprensa brasileira há vários anos, fez críticas à gestão Dualib e afirmou que o ex-presidente corintiano dirigia o clube como fazia com a sua casa. Um dos desentendimentos entre eles foi quando o ex-presidente quis contratar Marcelinho Carioca, já veterano, de volta. O iraniano se defende das críticas por demitir Tite em 2005 e ainda diz ter ligação forte e amizade com Andrés Sanchez, diretor de futebol do clube na época em que o clube fez a parceria com a MSI. Revela, inclusive, que já fez uma visita ao Itaquerão.

Kia diz que a parceria trouxe coisas positivas para o clube do Parque São Jorge. Reclama que apenas questionamentos e comentários ruins são feitos. "A imprensa brasileira só me bate e ninguém tem nenhuma prova contra mim no Corinthians, olha o que a gente (MSI) fez e trouxemos de patrocinadores. A camisa branca teve o maior patrocinador do Brasil, a Samsung. Depois que eu saí, melhorou isso ainda e ninguém falou nada. Vários jogadores que a gente contratou deram certo", afirmou o iraniano na seguinte entrevista:

UOL Esporte: Você não queria o Marcelinho no Corinthians quando ele foi contratado em 2006?
Kia Joorabchian: Não, não é verdade. O que aconteceu foi outra coisa. Eu lembro que Andrés estava fazendo acordo por causa de dívidas. Marcelinho devia alguma coisa para o Corinthians. E o Corinthians devia alguma coisa para o Luizão. Eles fizeram um acordo, Andrés, Nesi (Cury) e Dualib, era um acordo de um apartamento do Luizão, alguma coisa assim. Na verdade o problema não foi o jogador, Marcelinho. Eu não entendi o que eles fizeram. Eu não concordava com o acordo. Foi muito confuso, eu nunca entendi aquilo. Deixa eu falar uma coisa: nunca fui contra Marcelinho Carioca. Eu fui contra toda a confusão. Nunca entendi o que eles estavam fazendo. Eu não entendo o que foi exatamente o problema de Luizão e Marcelinho até hoje. Aí chega um advogado e fala uma coisa, outros dois chegam e falam que estão mentindo. Foi um apartamento do Luizão.

Mas era um empecilho ter o Marcelinho no elenco?
Kia Joorabchian O objetivo da MSI era diferente, queríamos contratar jogadores jovens pra vencer e valorizar o Corinthians. Por isso não consideramos contratar jogadores que já tinham passado em outros períodos. Nada contra o Marcelinho, foi o grande ídolo do Corinthians. Só que o objetivo MSI/Corinthians era jovens como Tevez, Mascherano, que iriam bem, crescer e se valorizar muito. E deu certo. Cada jogador foi bem vendido. Tevez está na Itália, Mascherano no Barcelona. Os jogadores que contratamos foram decisões certas, para construir futuro para o Corinthians, e não [atletas para jogar] seis meses ou um ano.

Como você viu a queda de Dualib do Corinthians em 2007?
Kia Joorabchian Você não pode administrar Corinthians, Barcelona, Real Madrid ou Manchester United como faz com a sua própria casa. Aquilo não é sua casa. Se você é presidente, chefe ou qualquer outra pessoa [de uma grande empresa] tem muita responsabilidade. Você é um administrador. Tem que ser [alguém] como administrador de um país. Esses clubes não são clubes para serem administrados como um trabalho pequeno, com dois funcionários, e fazer como você quiser. Você tem outros objetivos. Você tem que acertar. É igual você administrar um país, não pode pensar que o país é seu. Você tem quatro anos, oito anos. Para mim, cada pessoa tem que passar um tempo, administrar, e quando não estiver bem mais tem que sair mesmo. Sei que tem muito conflito.

Foi justa então a deposição do Dualib?
Kia Joorabchian: Nunca fui próximo deles (Dualib e do ex-vice presidente Nesi Cury). Não fui próximo ao pessoal deles. Mas a situação foi assim: Andrés fez um bom trabalho? Fez. Tudo que aconteceu no Corinthians foi justo. O clube voltou, ficou de novo grande, ganhou tudo e o trabalho deu certo. A saída dele (Dualib) melhorou a situação do Corinthians. Não é o que eu falo, é o que todo mundo pode ver. O trabalho de Andrés deu certo, a saída de Dualib deu certo, depois que ele saiu.

Andrés é seu amigo ainda?
Kia Joorabchian: Andrés sempre foi meu amigo E sempre vai ser. Sem problema, sempre foi meu amigo, eu trabalhei com ele na MSI/Corinthians.

Tem se encontrado com ele?
Kia Joorabchian: Eu falo com ele, sempre falo com ele. Não falo com ele no dia a dia, mas não tem problema, ele é meu amigo e faz muito bom trabalho.

Você foi convidado por ele pra ir ao Itaquerão?
Kia Joorabchian: Tem que perguntar isso pra ele. Tem que perguntar isso pra ele. Converse com ele.

Mas você já visitou algumas arenas da Copa?
Kia Joorabchian: Visitei, visitei o novo estádio do Corinthians, claro. Ainda voltei. Andrés ainda me perguntou o que estou achando do Brasil, se estava mal [na preparação para o Mundial]. Falei que acho que vai ficar tudo pronto. Acho que a publicidade que as pessoas fazem é ruim. O Brasil está pronto para a Copa do Mundo. Outro dia um jornal inglês fez três páginas de torcedores que brigam [nos estádios], mas isso tem em todos os países.

Você se arrepende de ter demitido Tite na época da MSI por causa do Coelho ter batido um pênalti no lugar do Tevez? Depois Tite foi campeão mundial...
Kia Joorabchian: Eu não demiti o Tite por causa disso (pênalti). Ele fez ótimo trabalho, ainda como torcedor eu agradeço pelo que ele fez pelo Corinthians. Ele foi ótimo por um tempo. Mas veja... não dá pra comparar o Cristiano Ronaldo de 2004 com o de 2014, que ganhou duas a vezes Bola de Ouro. Ele era um menino de 16 anos. Ele amadureceu. Os anos de 2004 e 2005 foram outra época. Tite também era jovem, e tinha outros problemas políticos. Dualib falava que ele estava do lado do (então vice-presidente Antônio Roque) Citadini. Quantos técnicos entram e saem de um clube e voltam depois de dois, três anos? Luxemburgo foi demitido de um clube, voltou várias vezes e ganhou. Tite hoje é muito bom técnico, mas entre 2005 e 2011 o que ele ganhou? Que campeonato ele ganhou nessa época?

Ganhou a Sul-Americana com o Internacional...
Kia Joorabchian: Então...Mas quem demitiu o Tite? Calma...mas ele só ganhou uma Sul-Americana. Então ele amadureceu. Carlo Ancelotti foi demitido do Milan, depois foi para o Chelsea, foi campeão, depois foi demitido e agora está bem no Espanhol com o Real Madrid. Cada momento e cada época são uma situação diferente. Não é porque eu demiti o Tite que eu acho ele ruim. Era uma época diferente. Ele era muito jovem. Ele amadureceu, mudou muito. Ele foi demitido em 2005 e o Corinthians ganhou o campeonato naquele ano. Mas ele demorou sete anos pra ganhar um campeonato. Naquela época e momento a decisão foi certa, você viu o resultado. E agora ele ganhou tudo, mas os caras (dirigentes) mandaram embora também.

Já teve a chance de falar com ele?
Kia Joorabchian: Nunca tive oportunidade, mas se tiver será um grande prazer. Acho que ele fez ótimo trabalho em 2012, agradeço como corintiano e vou agradecer tranquilo pelo que fez, pela Libertadores que nos deu. O clube de futebol não é uma pessoa, um técnico. São várias pessoas.

O que o torcedor corintiano te diz quando te encontra? Qual o sentimento dele por você?
Kia Joorabchian Voce está falando de 30 milhões de pessoas (risos), é quase impossível de falar. Eu fui no jogo contra o Boca na Libertadores e os torcedores foram muito legais comigo. Um dia você está bem e outro dia você é a pior pessoa. Infelizmente tudo isso aconteceu por causa da imprensa. A imprensa coloca culpa em você, e outro dia recebe elogios. Mas eu acredito que o corintiano é legal comigo, mas o mais importante para mim é que eu sou torcedor do Corinthians.

Como andam seus negócios no futebol, o que você está fazendo?
Kia Joorabchian: Eu só trabalho no futebol agora. Estamos bem e crescendo rápido, a gente tem investimentos dentro do futebol, na área empresarial. Não entro dentro de um clube não, somente investindo em jogadores. Só isso.

Com quais jogadores da seleção brasileira você trabalha?
Kia Joorabchian: Vários, mas você sabe os nomes deles, você sabe quem são os nossos jogadores. Trabalho com vários jogadores, temos muitos. Trabalhamos com os melhores em cada lugar do mundo. No Campeonato Italiano, o Tevez é o goleador. Temos caras em grandes clubes da Inglaterra, como o Chelsea, City e Manchester United. A Europa precisa de jogadores de grande nível.

No futebol brasileiro hoje, qual jogador você contrataria?
Kia Joorabchian: Hoje no Brasil está difícil, não vem nenhum jogador na cabeça, mas eu acho que depois que o Brasileiro começar vai ter dois ou três jogadores que vão crescer. Mas temos que esperar e neste momento só tem campeonato estadual, e nessa competição é muito difícil analisar a qualidade desses jogadores. Neste momento tem dois ou três jovens que estamos avaliando, mas não posso falar o nome deles porque são muito jovens. Só observamos e não tem contato.

Como você ficou após a morte do Boris Berezovsky? Teve contato com ele?
Kia Joorabchian: Essa é uma pergunta que eu não vou falar. Nunca tive ou fiz nada com ele. Todo mundo sabia que nunca tive contato com ele e depois de sete anos você faz a mesma pergunta? Eu não tive nada com ele. Surge o nome dele de novo? Você me entrevistou e fez perguntas de Copa do Mundo, jogadores no futuro, até aí tudo bem. A imprensa brasileira só me bate e ninguém tem nenhuma prova contra mim no Corinthians. Olha o que a gente fez e o que trouxemos de patrocinadores. A camisa branca teve o maior patrocinador do Brasil, a Samsung. Depois que eu saí melhorou isso e ninguém falou nada. Vários jogadores que a gente contratou deram certo. Carlos Alberto foi vendido para o Werder Bremen por  US$ 9 milhões. Todos os jogadores que a gente comprou deram certo e conquistamos o Campeonato Brasileiro de 2005, e ainda se fala coisa negativa, ninguém da imprensa do Brasil publicou, isso está errado. Por quê? Ganhamos o Campeonato Brasileiro, os jogadores todos foram valorizados, o clube se valorizou, mudou o sistema de patrocinadores e mudou o sistema de contratar jogadores e tudo estava bem. Mas me acusaram de um monte de coisas e até agora nenhuma pessoa publicou uma coisa positiva, como você acha que a minha família sentiu isso? Mal pra caramba, você acha que a imprensa brasileira foi legal comigo? Por isso que eu não queria falar nada. Eu aprendi a falar português, então quando a gente erra temos que reconhecer o erro.  

Você deve dinheiro para o Corinthians?
Kia Joorabchian: Eu não vou responder isso porque é uma questão de trabalho. Não vou dizer se o Corinthians deve ou não deve, é uma coisa de trabalho. Não só sobre o Corinthians. Isso é para qualquer clube e eu trabalho com vários clubes no mundo inteiro, mas digo pra você: eu não tenho nenhum problema com o Corinthians. 

*Colaboraram José Ricardo Leite e Paulo Passos

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em Caarapó, Reinaldo Azambuja inaugura indústria com 300 empregos e entrega reforma de escola
DEMITIDO
Funcionário de funerária é demitido por tirar foto com o corpo de Maradona
100 COPINHA
FPF anuncia o cancelamento da Copa São Paulo Junior de 2021
LUTO NA TV
Fernando Vannucci, apresentador, morre aos 69 anos em São Paulo
FATIMASSULENSES DESTAQUES
Fatimassulenses ficam em 3º e 4º lugares na 3ª Maratona Mountain Bike MTB Nova Alvorada do Sul
ELIMINATÓRIAS
Brasil vence Uruguai e segue 100% nas eliminatórias da Copa do Mundo
FUTEBOL
Filho de Eliza Samudio e Bruno joga como goleiro em escolinha de MS
BRASILEIRÃO
Santos com 11 desfalques (Covid - 19) vence o Internacional com base "molecada" por 2x0
JOGOS ONLINE
Cassinos: história, evolução e variedades
CORONAVIRUS NO ESPORTE
Cinco atletas do Coritiba testaram positivo para COVID-19