Menu
SADER_FULL
sábado, 15 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
FELLINI 100 ANOS

Fellini, cem anos: por que o diretor italiano segue reverenciado?

Fellini, cem anos: por que o diretor italiano segue reverenciado?

28 Jul 2020 - 14h46

Sites de cultura, arte e sociedade estão dedicando textos, artigos e ensaios para celebrar o trabalho de um dos maiores cineastas do mundo: Federico Fellini. O italiano estaria completando 100 anos e 2020, e a data é motivo para retomar a discussão sobre um dos grandes nomes da sétima arte.

O El País, por exemplo, publicou um longo artigo destacando as qualidades do diretor. Esse site destaca algumas das características do cinema feito por Fellini: a tensão entre o homem moderno e os rudimentos do passado, os sonhos eróticos, o machismo caricatural ou uma estranha mistura de crítica e paixão simultânea por uma sociedade do espetáculo que acabou se tornando uma odiosa indústria publicitária.

Fellini é oriundo de cinema feito no pós-segunda guerra mundial (1939-1945) . Essa tendência, alegam especialistas,  constrói em suas obras “reportagens reconstituídas” da sociedade e suas fraturas sociais, obras de extrema relevância e “perfeita e natural aderência à realidade”. Ele ganou 5 oscars ao longo de sua carreira.

Fellini nasceu em 1920 em uma família de classe média da cidade de Rimini. Seu pai era caixeiro viajante e sua mãe, dona de casa. Tinha dois irmãos, ele o mais velho.

No começo dos anos 50, Fellini lançou seu primeiro filme, “O Sheik Branco”. Foi apresentado no festival de Veneza e duramente criticado no evento. Seu segundo filme, “I Viteloni”, de 1953, ganhou o Leão de Prata da edição seguinte do mesmo festival – o que lhe rendeu seu primeiro contrato de distribuição internacional.

Em 1956, ganhou com “Nights of Cabiria” seu segundo Oscar, o primeiro com um filme próprio. Mas sua obra-prima (ou ao menos a primeira delas) seria lançado em 1961 sob o título de “La Dolce Vita”. Este lhe rendeu, além do Oscar, uma Palma de Ouro e um Bafta. Fellini estava entre os grandes.

Fellini é constantemente venerado pela capacidade que tem de construir belos personagens, sempre realçando características humanas. A complexidade das personagens fellinianas sempre foi um ponto importante para compreender como o diretor reconfigurou a representação da subjetividade e do real no cinema. Não padronizar o caráter das personagens é reconhecer a complexidade da própria natureza humana,.

Seu último trabalho foi em 1989, com “The Voice of The Moon”, feito em parceria com Roberto Benigni. Em 1991, contou sua história para o cineasta canadense Damian Pettigrew, o que resultou no documentário lançado mais de 10 anos depois, chamado “Fellini: I’m a Born Liar”.

Em junho de 1993, aos 73 anos, sofreu um derrame que o deixou parcialmente paralisado. Poucos meses depois, sofreu um segundo e derradeiro derrame. Por algum tempo, ficou em coma. Morreu em outubro do mesmo ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - UNIGRAN
Acadêmico de Fisioterapia da UNIGRAN tem trabalho publicado em revista de âmbito internacional
VOLTA AS AULAS
Nas redes, pais criam grupo e reclamam de retorno das aulas nas particulares de Campo Grande
VOLTA ÀS AULAS NO MS
Governo avalia testagem em massa para volta às aulas em MS
JATEÍ - CHAMADA PÚBLICA
Escola Bernadete Santos Leite faz chamada pública para merenda escolar em JATEÍ
FÁTIMA DO SUL - O ADEUS
INACREDITÁVEL: Um dia cheio de dor, tristeza e de dizer adeus em Fátima do Sul
VICENTINA - NOTA DE PESAR
Prefeitura se solidariza e destaca dedicação e contribuição de Cida Lima com a educação em Vicentina
COLAÇÃO DE GRAU
UNIGRAN inova e realiza colação de grau on-line pelo Google Classroom
ARTIGO DO LEITOR
Descubra: sem sombra de dúvidas, Deus tem um propósito pra sua Vida.
RETORNO ÀS AULAS EM MS
MS discute estratégias de retorno às aulas presenciais de forma segura
AULAS NA PANDEMIA
Enquanto MS tem mil novos casos de Covid-19, mais uma cidade libera volta às aulas