Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 25 de maio de 2022
SADER_FULL
Busca
ALTA NO PREÇO

"Gasolina cara' não é culpa do Estado e sim do Fator Petrobrás, aponta Sindifiscal/MS

Em 18 meses, a variação do barril do petróleo atingiu 290% e gasolina alcança R$ 6,53 em novembro.

11 Nov 2021 - 12h54Por Maracaju Speed

A equipe do Observatório Econômico do Sindicato dos Fiscais Tributários Estaduais de MS – Sindifiscal/MS – analisou os dados da Agência Nacional do Petróleo – ANP - e apontou que o alto valor dos combustíveis aos consumidores está ligado, principalmente, ao preço do barril do petróleo que sofreu uma variação de 290%. Em novembro, o preço médio da gasolina comum no estado para o consumidor final alcançou R$ 6,53 o litro, um aumento de 37,85%, em relação a janeiro deste ano quando o combustível custava, em média, R$ 4,73%.

A explicação, conforme a equipe de analistas do Sindifiscal/MS, está no “Fator Petrobrás', que representa a relação entre o “preço-Petrobras' do combustível e o preço ao consumidor final na região Centro-Oeste. Conforme Clauber Aguiar, fiscal tributário estadual e diretor do Observatório Econômico, 1% de aumento do combustível no “preço-Petrobras' acarreta elevação de 0,61% no preço ao consumidor. “Esse impacto não é observado nas bombas, uma vez que proporcionalmente não houve reajustes nas margens de distribuição e revenda', explicou o diretor.

O grande vilão da alta no preço dos combustíveis, segundo o estudo, é o valor do barril de petróleo. Em outubro deste ano, o barril de petróleo Brent apresentou crescimento de 12,81% em relação ao mês anterior, atingindo US$ 82.12. A pandemia fez a demanda por combustíveis cair e o barril do petróleo sofreu desvalorização. O produto chegou a custar em torno de US$ 21.04 em abril de 2020. “Com a gradual retomada das atividades pós isolamento social e a baixa na produção do petróleo, o preço do barril aumentou. Em outubro de 2021 o barril já custava US$ 82.12, apresentando crescimento total de 290,33% em relação ao preço de abril de 2020. Apesar disso, o preço médio da gasolina no Brasil apresentou crescimento em quase todos os meses de 2021, com preço máximo de R$ 7,88 em outubro para o consumidor final.

Formação do custo da gasolina

No Brasil, referente à gasolina comum, baseado nos exercícios do primeiro semestre de 2021, a composição do preço do consumidor está relacionada ao Preço-Petrobras de Gasolina “A' (em média 33,5% do preço ao consumidor), Preço do Etanol Anidro, Tributos Federais, Tributos Estaduais (ICMS) e Margem Bruta de Distribuição + Revenda. Na composição do preço do diesel B S500, o fator de maior participação também é o Preço-Petrobras do Diesel A S500, o qual representou em média 53,2% (de janeiro a junho de 2021) na composição do preço do consumidor nas vendas do diesel. Concomitante a isso, o preço médio do diesel no MS apresentou crescimento total, no comparativo entre os meses de janeiro e junho de 2021, de 32,52%.

Outro agravante para o aumento na bomba foi a valorização do dólar em relação ao real. Em setembro deste ano a taxa de câmbio era de 5,47 do real em relação ao dólar, fechando outubro com crescimento de 3,74% em relação ao mês anterior, totalizando 5,64. Em janeiro de 2020 a taxa de câmbio era em torno de 4,27 (atingindo, em outubro deste ano, um crescimento total que representou 32,17% em relação a janeiro de 2020). Com isso, a gasolina comum no Brasil apresentou crescimento total de 52,19% em outubro de 2021 em relação ao mesmo mês de 2020.

“As altas variações no preço do barril de petróleo causadas pela pandemia e pela desvalorização cambial são responsáveis por esse persistente aumento nos preços dos combustíveis brasileiros. Pois, por se tratar de uma commodity importada pelo Brasil e negociada em dólar, com a desvalorização do real, o custo da matéria prima sofre grande aumento, o que impacta no preço do consumidor final', conclui o estudo.

Os dados desta matéria foram retirados das análises do Observatório Econômico. As informações constam no site www.sindifiscalms.org.br e podem ser consultadas diretamente no  link https://fatogeradorsindifiscalms.blogspot.com/

OBSERVATÓRIO ECONÔMICO

O Observatório Econômico é uma estrutura pertencente ao Sindifiscal/MS. O principal objetivo é monitorar a economia do Estado de Mato Grosso do Sul. O projeto foi lançado em 2015 e produz pesquisas e elabora estudos técnicos com informações e propostas que possibilitem a atuação da entidade e municípios no cenário governamental. E assim, cumprir sua responsabilidade social, pensando soluções para o seu desenvolvimento.

Leia Também

Fotos: Chico Ribeiro AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em Maracaju, governador concede licença ambiental à usina que deve gerar 650 empregos e abre Showtec
FOME NO BRASIL SUPERA MEDIA GLOBAL
Fome no Brasil supera média global e atinge mais as crianças
COBERTORES PARA CAMPO GRANDE
Governo do Estado entrega mais de 14 mil cobertores para Campo Grande que promete entrega imediata
VELOCIDADE DA INTERNET
Governador sanciona lei que obriga empresas informarem velocidade da internet na fatura
INVESTIMENTO DO GOVERNO MS
Governo investe R$ 6,5 milhões para reforma geral da Escola Roberto Scaff, em Anastácio
FOTO: UNIGRAN DOURADOS UNIGRAN DOURADOS
Ciências Contábeis: campanha orienta sobre declaração do Imposto de Renda
FÁTIMA DO SUL - JORGE MERCADO
Confira as OFERTAS TOP 10 desta quarta e quinta-feira do Jorge Mercado Atacarejo em Fátima do Sul
NOVA FERROESTE
Nova Ferroeste é reconhecida como projeto sustentável pela Coroa Britânica
FÁTIMA DO SUL - MERCADO JULIFRAN
Confira as OFERTAS da semana e quarta verde do Mercado Julifran em Fátima do Sul
SHOWTEC MARACAJU
Governador entrega obra e participa da abertura do Showtec em Maracaju