Menu
SADER_FULL
segunda, 17 de maio de 2021
Busca
Brasil

Trabalhador rural que aderir Previdência se livra de multa

8 Out 2010 - 13h29Por Conjuntura Online

O trabalhador rural que resolver contribuir para a Previdência Social poderá ficar livre do pagamento de multa. Pelo menos em relação ao período anterior à exigência de adesão a esse regime previdenciário.

Essa flexibilidade está sendo aberta por projeto de lei (PLS 302/06) do senador Paulo Paim (PT-RS), pronto para ser votado, em decisão terminativa, pela CAS (Comissão de Assuntos Sociais).

Ao justificar a proposta, Paim explicou que sua intenção é sanar uma injustiça decorrente da incorporação desses trabalhadores à Previdência Social. Até 1991, o agricultor familiar era classificado como segurado facultativo do sistema previdenciário.

A obrigatoriedade de adesão só começou em 1993, com mudanças na Lei nº 8.213/91, que trata dos planos de benefícios da Previdência Social.

No entanto, Paim argumenta que o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) só reconhece o tempo de trabalho rural com o pagamento de indenização, calculada levando em conta o valor do atual salário de contribuição e o período pretendido, acrescida de correção monetária, juros e multa.

Para se fazer justiça, na avaliação do autor do PLS 302/06, o trabalhador deveria ficar dispensado desses encargos financeiros pelo tempo em que era contribuinte facultativo.

O relator da proposta, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), se rendeu às ponderações apresentadas no PLS 302/06 e recomendou sua aprovação com três emendas de redação.

Na sua opinião, estes segurados não só estavam em situação legal no sistema então vigente, como também se encontravam prejudicados pela desinformação e pela falta de inclusão previdenciária no meio rural.

"O pagamento de multas, no entanto, implica a existência de um desrespeito a uma norma em vigor e resulta, portanto, de uma ilicitude ou negligência.

Não é o caso dos trabalhadores rurais em regime de economia familiar, que antes do advento das Leis de Custeio (Lei nº 8.212/91) e de Benefícios (Lei nº 8.213/91) da Previdência Social sequer eram segurados obrigatórios", afirmou Raupp no parecer.

Se a CAS aprová-la e não houver recurso para votação em Plenário, a proposta segue direto para a Câmara dos Deputados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe