Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Senado e Câmara tentam cumprir prazo para discutir reforma política

28 Mar 2011 - 05h31Por R7

Com trabalhos realizados em duas comissões diferentes, deputados e senadores têm, mais uma vez, o desafio de tentar mudar as regras do jogo eleitoral brasileiro e a forma como os partidos e candidatos se articulam para chegar ao poder.

 

A Comissão Especial da Reforma Política da Câmara aposta em audiências públicas e muita discussão para chegar a um denominador comum em até 180 dias. Os senadores, por sua vez, deram-se o prazo máximo de 8 de abril para discutir e votar os temas propostos.

Desde que foi instalada, no início do mês, a comissão da Câmara já se reuniu para elaborar um cronograma de atividades, definir a pauta de assuntos que serão debatidos e eleger seus líderes: são três vices-presidentes, um presidente e um relator.

As discussões, no entanto, pouco avançaram. Na última quinta-feira (24), o grupo realizou a primeira audiência, dedicada à análise do sistema eleitoral. O encontro teve a participação de internautas e juristas.

Os deputados apostam em muitos debates e na participação popular para produzir o anteprojeto da reforma política. O presidente da comissão, Almeida Lima (PMDB-SE), disse que já recebeu propostas para fazer seminários em Goiás, Mato Grosso, Sergipe, Paraná e Minas Gerais.

Apesar das boas intenções, os deputados terão de apertar o ritmo para concluir os trabalhos dentro do prazo proposto.

Na última terça (22), os integrantes da comissão demonstraram pouca pressa. Os deputados que não fizeram a lição de casa tiveram a oportunidade de assistir a uma aula sobre os modelos de sistemas eleitorais: proporcional com lista aberta ou lista fechada de candidatos, voto distrital, voto distrital misto e voto majoritário da circunscrição (o chamado distritão, que corresponde a todos os eleitores de um Estado).

No Senado, o debate deslanchou. A comissão especial montada na Casa definiu um cronograma apertado para analisar 11 itens. O grupo pretende concluir até o dia 8 de abril o anteprojeto de reforma política, que será enviado ao plenário.

Alguns temas já foram deliberados pelos senadores, como o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais (para deputados e vereadores) e a manutenção do voto obrigatório. A comissão decidiu, ainda, propor o fim da reeleição para prefeitos, governadores e presidentes da República, aumentando, porém, o mandato de quatro para cinco anos.

Além disso, sugeriu alterar as regras para escolha dos suplentes de senador. Em vez de dois, cada senador eleito passaria a contar com apenas um suplente, que poderia substituir o titular do cargo apenas temporariamente, e não mais até o fim do mandato.

Outro assunto abordado foi a mudança da data em que tomam posse o presidente da República, os governadores e prefeitos. Tais eventos, que atualmente ocorrem sempre no dia 1º de janeiro, seriam adiados para não coincidir com as festas de Ano Novo. De acordo com a proposta, governadores e prefeitos tomariam posse no dia 10 de janeiro. A cerimônia do presidente, por sua vez, ocorreria no dia 20.

A única discussão que entrou em pauta, mas que não encontrou consenso entre os senadores, foi sobre os sistemas eleitorais. O presidente da comissão, Francisco Dornelles (PP-RJ), decidiu adiar a votação para a próxima terça-feira (29), quando os parlamentares irão escolher uma das três propostas mais votadas: voto distrital misto com lista fechada, o distritão e voto proporcional com lista fechada.

Pressionado pelo bom andamento dos trabalhos no Senado, o presidente da comissão especial da Câmara, Almeida Lima, anunciou a disposição de começar as votações sobre o sistema eleitoral "em meados de maio". Anteriormente, havia manifestado a intenção de concentrar as votações apenas no fim do prazo de funcionamento da comissão, entre agosto e setembro.

Trabalho conjunto

Apesar do andamento diferente, as comissões da reforma política da Câmara e do Senado vão trabalhar "buscando harmonizar as sugestões que integrarão o anteprojeto", segundo o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS). A intenção é promover encontros sistemáticos entre os líderes.

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse que o objetivo é que as duas comissões cheguem a um acordo em torno de alguns pontos fundamentais.

- Se não fosse assim, seria difícil achar o caminho para a reforma.

Marco Maia justificou a ideia do trabalho em conjunto como fundamental para que, no fim, as propostas se integrem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço