Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de maio de 2021
Busca
SUPERBACTÉRIA

Preocupação com superbactéria envolve uso abusivo de antibióticos

25 Out 2010 - 05h08Por Agência Brasil

A superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KCP) é uma das grandes preocupações nacionais recentes na área de saúde.

Não existe ainda uma informação oficial para a causa da proliferação da bactéria no país, mas, para alguns especialistas, como o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Marco Antônio Cyrillo, uma das preocupações centrais é o uso indiscriminado de antibióticos.

“O uso de antibióticos nas unidades de Tratamento Intensivo [UTIs] em pacientes com imunossupressão [com o sistema imunológico debilitado] é o principal fator para que as bactérias apareçam”, afirma.

Cyrillo explica que os antibióticos matam as bactérias sensíveis e as que sobrevivem transmitem para as gerações futuras os genes de resistência até criar uma bactéria super-resistente.

A enfermeira do Serviço de Controle de Infecção do Hospital Universitário de Brasília (HUB) Isabela Rodrigues confirma que existe o uso abusivo de antibióticos.

“O acesso ao antibiótico na própria comunidade é muito fácil e o uso contínuo começa a afetar o organismo.

Quando a pessoa precisa se internar já adquiriu resistência e nem todo antibiótico vai tratar sua doença. Na assistência hospitalar, também ocorrem abusos”, destaca.

De acordo com a professora de infectologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ana Cristina Gales, a carbapenemase é a enzima produzida pela bactéria que a torna capaz de inativar os antibióticos betalactâmicos, incluindo os carbapenens, considerados os antimicrobianos mais potentes para o tratamento de infecções graves.

“O paciente pode ter a bactéria colonizada ou estar infectado e desenvolver algum tipo de infecção como pneumonia, meningite, na corrente sanguínea, ou mesmo no local da cirurgia”, diz a professora.

Segundo Isabela Rodrigues, o tratamento para combater a KPC, nos hospitais, é normalmente feito com a associação de três antibióticos: polimixina B, tigerciclina e amicacina.

Se o uso abusivo dos antibióticos pode ser a causa do surgimento das bactérias, a falta de uso de materiais de higiene médico-hospitalar básicos como luvas, máscaras, álcool e a ausência da prática de hábitos, como o de lavar as mãos após o contato com pacientes, são apontadas como fatores que podem explicar a proliferação do micro-organismo.

A transmissão ocorre por meio do contato direto entre as pessoas ou pelo uso de um objeto comum. Por isso, o presidente da SBI destaca medidas importantes a serem tomadas.

“A qualificação dos profissionais de saúde, o número adequado de profissionais atendendo, a conscientização de que eles podem servir como vetor de contaminação, além de bons laboratórios para identificar a bactéria são fundamentais para se controlar a KPC”, enumera Cyrillo.

A higiene não deve ser esquecida também por quem visita pacientes internados nos hospitais. Após o contato com a pessoa internada, é importante lavar as mãos com sabonete e utilizar álcool em gel, conformem orientam os especialistas.

Atualmente não existe um diagnóstico sobre a expansão da contaminação pela KPC no país. Os registros oficiais ainda estão restritos ao Distrito Federal, com 183 casos e 18 mortes, e aos estados do Paraná, com 24 casos; da Paraíba, com 18; do Espírito Santo, com três; de Minas Gerais, com 12; de Santa Catarina, com três; de Goiás, com quatro; e de São Paulo, com 70 casos e 24 mortes. Os dados são da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e das secretarias estaduais de Saúde.

“É importante que haja uma rede de segurança mais efetiva para que tenhamos dados dos municípios, estados e em nível federal, não só desta bactéria, mas de outras bactérias.

É uma política de prevenção conhecer a realidade nacional”, enfatiza Cyrillo.

Para conter a avanço da contaminação, a Anvisa anunciou na última semana (22) a obrigatoriedade da instalação de dispensadores de álcool em gel nos hospitais e clínicas públicas e particuladres.

A agência vai publicar resolução tornando mais rígida a venda de antibióticos no país, sendo que uma via da receita médica deverá ficar retida na farmácia

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul