Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

PMDB de MS pode perder deputado por causa de briga

5 Dez 2006 - 07h36
As duas principais lideranças do PMDB de Dourados, o presidente do diretório municipal Marçal Filho e o deputado estadual reeleito Ari Artuzzi estão em pé de guerra por causa do comando do partido no município. No final de semana, Artuzi mandou entregar uma carta a Marçal em que ele e mais 17 pessoas renunciam aos cargos na executiva e no diretório.

O estopim da crise foi o fato de a esposa de Marçal, a radialista Kelyana Fernandes, ter montado uma chapa para a eleição do PMDB Mulher. Artuzzi atacou Marçal e o acusou de encher o diretório municipal do partido com familiares e funcionários da emissora de rádio de sua propriedade.

O deputado disse ao Correio do Estado que vai procurar esta semana o governador eleito André Puccinelli para tratar do assunto e não descarta a possibilidade de deixar o PMDB. "Ainda é muito cedo pra falar em sair, mas eu não posso estar num partido em que o tal de Marçal manda", afirmou.

Ari Artuzzi disse ainda que não se sente respeitado dentro do partido, apesar de ter tido 31 mil votos no município para deputado estadual (Marçal foi candidato a deputado federal, somou cerca de 20 mil votos em Dourados e, no geral, ficou como 1º suplente de sua coligação). "Tenho de ser respeitado. Tive mais votos que todos os candidatos juntos", acrescentou.

Artuzzi também atacou o único vereador do partido na Câmara Municipal, Eduardo Marcondes, que fez uma composição com o PT e o PR (antigo PL) para se eleger vice-presidente do legislativo municipal. "Esse tal de Eduardo acertou com o PT. Esses dois ‘bola murcha’ (referindo-se também a Marçal) nunca quiseram que eu entrasse no PMDB", encerrou.

Contra-ataque –

Marçal acrescentou que Kelyana Fernandes apresentou chapa para o PMDB Mulher porque ninguém se propôs a fazer o mesmo, mas, que se for o caso, entrega ao grupo de Artuzi. "Se o problema for esse, a gente entrega pra ele na hora. Pra Kelyana seria um favor", disse o presidente do PMDB.

Marçal Filho disse que não entende as reclamações de Artuzzi sobre falta de espaço no partido. Segundo ele, dos 45 membros eleitos para o diretório municipal, 18 são ligados ao deputado. "Eu indiquei apenas cinco nomes e o Marcondes, outros cinco. O Ari ficou com 18 e o restante foi indicação dos próprios membros do partido", encerrou.

Marçal Filho afirmou que não esperava a atitude de Artuzi. Ele afirmou que o deputado estadual tem um comportamento instável e que iria submeter o pedido de renúncia do deputado e de seu grupo político à executiva do partido, que teria uma reunião na noite de ontem. "Um político como ele, que quer ser candidato a prefeito precisa ter estabilidade emocional, conversar, dialogar", afirmou.

 

 

Correio do Estado

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro