Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Murilo quer aumentar teto para micros e pequenas empresas

25 Ago 2010 - 17h26Por Fátima News com assessoria

O vice-governador Murilo Zauith (DEM) defendeu nesta quinta-feira durante a série de entrevistas que a TV Morena está promovendo com os candidatos ao Senado, a elevação do teto para micro e pequenas empresas.

Candidato ao Senado pela coligação Amor, Trabalho e Fé, Murilo referiu-se ao SIMPLES ( Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte).

 

“O primeiro projeto que vou defender como senador é o aumento do teto do pequeno e micro empresário. Hoje está em R$ 2,4 milhões e temos que passar para R$ 3,6 milhões. Tudo foi juntado por uma lei federal para que o micro e pequeno empresário pagasse um só imposto e nós temos que aumentar este teto para que mais empresários possam participar com esse apoio”, disse sugeriu o democrata, referindo-se ao sistema.

 

Outro ponto interessante que o democrata garantiu defender no Senado foi uma mudança abrangente na política de reforma tributária do País, como forma de o bolo tributário nacional ser melhor repartido entre a União, estados e municípios.

Ele lamentou que não é possível ver os governadores e os prefeitos de pires nas mãos, batendo de porta em porta nos gabinetes dos ministérios em busca de dinheiro para investimentos, enquanto que o governo central abocanha 2/3 da verba da arrecadação de impostos.

 

Murilo defendeu também uma política agrária específica para as comunidades indígenas nos mesmos moldes adotados pela reforma agrária voltada ao assentamento de trabalhadores rurais sem-terra.

 

Murilo é o terceiro candidato a participar da rodada de entrevistas no programa Bom Dia MS, após participação do deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) e de Jorge Batista (PSOL). Nesta sexta-feira, será a vez do deputado federal Waldemir Moka.

 

Na sequencia, a TV Morena deve ouvir as propostas do senador Delcídio do Amaral (PT), que tenta à reeleição na chapa do ex-governador Zeca do PT.

 

Segundo ele, com o crescimento da população indígena o governo deve desapropriar e comprar terras para acabar com os acampamentos de índios às margens de rodovias e, principalmente, devolver tranquilidade aos proprietários que são alvos de invasões.

 

Em sua avaliação, o conflito entre índios e fazendeiros tem origem no crescimento da população indígena e não na ocupação de terras supostamente pertencente aos seus antepassados.

 

“Tem muitos fazendeiros querendo vender terras para a reforma agrária e assentamento de índios”, disse. O critério hoje de demarcação leva em conta estudos antropológicos.

 

“Essa discussão não pode ser ideológica”, acrescentou ao ser questionado sobre o tema,  sugerindo que a experiência dos sem-terra deve ser aproveitada para formular uma política agrária indígena e assim resolver o impasse criado com a demarcação de áreas em fazendas tituladas.

O vice-governador também falou sobre suas posições em relação aos incentivos fiscais, vigilância sanitária na fronteira e desconcentração das receitas públicas. Ele disse que decidiu concorrer ao Senado depois de pesquisas indicarem que essa é uma aspiração do Cone-Sul do Estado, que nunca teve um senador.

 

Um dos pontos defendidos pelo democrata é a retomada da discussão sobre a reforma tributária e o Código Florestal, lembrando que ainda não tem uma posição definitiva sobre a questão. “Tenho comigo que há duas questões prioritárias – o Código Florestal e a Reforma Tributária”.

 

Sobre recursos públicos, Murilo considera que há uma excessiva concentração das receitas. Ele lembrou que a Constituição de 1988 estabeleceu a divisão dos impostos, mas o governo federal criou ao longo do tempo contribuições e outras formas de receita que não se enquadravam como tributo, favorecendo o quadro de penúria que vivem hoje os municípios, obrigando prefeitos a irem a Brasília de pires na mão e andar pelos corredores do Congresso atrás de emendas e liberação de verbas federais para obras básicas, como creche e posto de saúde. “A União concentra dois terços da receita de impostos”.

 

Murilo disse ser a favor da manutenção da Zona de Vigilância na região de fronteira, reconhecendo que os produtores sofrem muito com a medida, mas é seguro, dá segurança aos exportadores. “Não podemos perder esse selo, sugeriu Murilo, que também defendeu a atuação das Forças Armadas na fronteira para combater o tráfico de drogas e o contrabando de armas, ao lado de políticas de integração das comunidades fronteiriças.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso