Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

MS tem a 7ª maior taxa de Aids do país, aponta relatório

21 Nov 2006 - 17h48
Mato Grosso do Sul está em 7º lugar dentre os que têm a maior taxa de Aids no País, conforme boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde. Os dados mostram que houve redução na taxa de mortalidade em função da doença, ao longo da última década. Para especialistas, o diagnóstico precoce e avanços no tratamento são os principais responsáveis pelo prolongamento da vida de pessoas que foram infectadas. O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta contra a Aids.

O Estado que apresentou a maior taxa de casos registrados em 2005 foi o Rio de Janeiro, com 33,2 a cada 100 mil habitantes. A menor taxa está no Tocantins, 6,6 casos a cada 100 mil pessoas. A taxa de incidência de Aids em Mato Grosso do Sul é de 18,9 a cada 100 mil habitantes, a 7ª maior do País.

São 4.807 casos registrados desde 1980 em Mato Grosso do Sul e 1.682 óbitos no período. A cada ano, a proporção entre casos notificados e mortalidade vem diminuindo. Em 1995, por exemplo, surgiram 244 casos e ocorreram 121 óbitos. Já no ano passado foram 427 casos e 129 óbitos. A taxa de mortalidade a cada grupo de 100 mil no Estado em 2005 foi de 5,7 contra 6,3 no ano de 1995. A taxa nacional de mortalidade provocada pela doença é de 6 a cada 100 mil.

A infectologista Ana Maria Paniago, que coordena o Hospital Dia, do Hospital Universitário, em Campo Grande, afirma que a partir de 1996, com a implantação da terapia anti-retroviral combinada, que é uma associação de medicamentos, conhecida como coquetel, o índice de letalidade teve forte queda.

Associado a isso, o governo também tem investido em campanha para que a população faça exames, já que o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento. Isso porque na maioria dos casos, os sintomas só surgem cerca de sete anos após a infecção, quando a doença está se manifestando.

Hoje, afirma a médica, os medicamentos foram aprimorados e as reações adversas aos medicamentos são bem menores que há alguns anos. É feito o controle da carga viral e de CD4 (marcador de um importante linfócito para a resposta imunológica do corpo).

Embora o vírus não seja eliminado, a carga pode baixar a níveis em que sequer é detectável e o paciente ter os níveis de CD4 restabelecidos. Os medicamentos são disponibilizados na rede pública gratuitamente, assim como exame sorológico. O exame pode ser feito em seis semanas após a relação desprotegida ou outra exposição, período que o corpo leva para formação de anticorpos. O Hospital Dia atende 600 pacientes, entre os que fazem e os que não fazem uso de medicamentos.

 

 

Dourados News


Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro