Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Lula pede a PT que não atrapalhe segundo mandato

17 Nov 2006 - 07h09
Em sua primeira reunião com a cúpula do PT depois de ter sido reeleito, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu 'humildade' aos companheiros, disse que o partido não pode mais errar na política e, na tentativa de driblar as pressões por cargos, garantiu que não fará grandes mudanças no ministério.

Nas duas horas e meia de conversa no Palácio do Planalto, ontem, Lula tranqüilizou os petistas: prometeu que o PT será mais ouvido e terá um papel relevante no governo de coalizão. O presidente insistiu, porém, em que precisará do PMDB 'inteiro' no segundo mandato.

'Não é meu objetivo reduzir o espaço do PT', afirmou Lula. 'Ganhei a eleição com esse time e em time que está ganhando não se mexe. Angústia e ansiedade quem tem é a imprensa e os que estão fora do governo e querem entrar. Quero conversar com todos, e não com pedaços de partidos', emendou.

Dirigentes petistas que compõem a comissão política do PT mostraram preocupação em digerir como será o relacionamento do PT com o governo. Integrantes de tendências de esquerda foram além: disseram ter a expectativa de conhecer os 'métodos' de composição da equipe. E mostraram aborrecimento com comentários de que o PT mais atrapalha do que ajuda. O presidente foi econômico nas explicações, mas assinalou que no modelo de coalizão todos serão muito mais cobrados.

'A nós não é dado o direito de errar. Aliás, o PT, mesmo quando acerta, leva bordoada, apanha. Imaginem quando erra!', cobrou Lula. A observação foi feita quando ele lembrou as 'lambanças' cometidas no primeiro mandato, incluindo a tentativa de compra de um dossiê contra tucanos em plena campanha. 'Mas acho que agora vocês aprenderam', comentou.

'Calma, presidente, que o dia não acabou! Ainda tem a tarde toda para alguém fazer bobagem', retrucou um dirigente petista, provocando gargalhadas.

No início da reunião, Marco Aurélio Garcia, presidente interino do PT, sugeriu que o governo de coalizão tenha um 'conselho político', integrado por todos os partidos aliados - não por 'facções' de legendas -, destinado a encaminhar propostas ao Planalto. 'O PMDB, para nós, não é problema. É uma grande solução', disse ele, para dissipar o mal-estar.

Depois, Garcia repetiu que o PT não cobrou cargos no ministério. 'O tamanho da participação no governo não se mede com fita métrica nem com aritmética vulgar: mede-se pela presença de posições políticas essenciais', disse, irritado.
 
 
Estadão

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro