Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 27 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Incra quer desapropriar área de estudos ufulógicos em Corguinho

29 Jan 2011 - 09h47Por Folha Online

O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Mato Grosso do Sul protocolou ação de desapropriação de dez imóveis rurais em Corguinho, a 98 km de Campo Grande. Entre os 1.400 hectares considerados remanescentes de quilombolas, constam duas propriedades que fazem parte do Projeto Portal, associação de pesquisadores de ciências paralelas e conhecida por ser base de estudo de fenômenos ufológicos.

O processo começou a tramitar em novembro do ano passado e hoje (28) os proprietários das áreas foram notificados, via edital, sobre o andamento da ação de desapropriação por interesse social. A indenização total calculada é de R$ 1.104.245,97 a ser paga para a 15 proprietários de terras.

Duas delas são conhecidas como área de estudo de ufólogos: Fazenda Santa Terezinha I e Projeto Portal. As áreas pertencem a Urandir Fernandes de Oliveira, que se autodenomina ufólogo e paranormal. Urandir diz que já fez contatos com extraterrestres e que, em Corguinho, conforme descrito em seu blog, "ocorrem intensos fenômenos ufológicos". Pelo estudo do Incra, seriam desapropriados 451,8 hectares do total de 508,5 do Projeto Portal e 173,3 hectares dos 565,8 hectares da Fazenda Santa Terezinha.

No caso de Urandir, o valor previsto de indenização é de R$ 295 mil pelas áreas. No caso da matrícula do Projeto Portal, foi considerado pagamento somente sobre a benfeitoria. Pelo estudo dos técnicos do Incra, se for levada em conta o cálculo da terra nua, somente esta área foi avaliada em R$ 522,3 mil. O dinheiro já foi depositado em juízo.

Em audiência judicial no dia 7 de dezembro de 2010, o ufólogo assinou um termo em que concorda com a desapropriação, sob a condição de que a indenização estipulada por hectare seja reavaliada. Pelo Projeto Portal, segundo Urandir, o hectare teria que ser negociado a R$ 6.500; na Fazenda Santa Terezinha, R$ 20 mil. Os 173,3 hectares de um dos imóveis passariam a valer R$ 3,466 milhões. No cálculo do Incra, cada hectare vale R$ 1,055 mil e R$ 1,264 mil, respectivamente.

Os proprietários dos imóveis têm até 15 dias para contestar a ação do Incra, em tramitação na 4ª Vara Federal de Campo Grande. A reportagem entrou em contato com assessoria do Projeto Portal e os telefones de Urandir de Oliveira em Corguinho e Rochedo, mas não houve resposta.

Leia Também

SOB INVESTIGAÇÃO
Amigos saem para pescar e encontram cadáver boiando em rio
DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio
ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina