Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 11 de maio de 2021
Busca
Brasil

Inadimplência recua 1,4% em julho em relação a 2003

20 Ago 2004 - 11h11

A inadimplência está caindo no Brasil, segundo pesquisa divulgada na manhã desta sexta-feira pela Serasa. Em julho, o indicador teve queda de 1,4% em relação ao mesmo mês de 2003. Entretanto, no acumulado de janeiro a julho deste ano, houve crescimento, ainda que pequeno. Houve variação positiva de 0,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. Nos primeiros sete meses de 2003, houve alta de 5,5% na comparação com iguais meses de 2002.

A queda acentuada da inadimplência em 2004 fica mais evidente quando comparada com a inadimplência de 32,8% apresentada de janeiro a julho de 2002, contra igual meses de 2001.

Segundo técnicos da Serasa, a redução da inadimplência de pessoa física é resultado da melhora do nível de atividade econômica, verificada a partir de abril deste ano, que tem contribuído com a abertura de novas vagas de trabalho e com a melhor negociação salarial obtida por trabalhadores de algumas categorias através da reposição de perdas inflacionárias. Essa conjuntura, segundo a instituição, permite que o consumidor regularize suas pendências financeiras em vez de assumir novas dívidas.

Os cheques sem fundos têm a maior representatividade na inadimplência de consumidores em comparação com 2003. Nos primeiros sete meses deste ano, eles representaram 36% do total do indicador de Pessoa Física. O percentual é o mesmo registrado nos mesmos meses do ano passado. Em 2002, foi 37%, em igual período.

O segundo maior índice na representatividade é o registro de inadimplência de cartões de crédito e financeiras, que no acumulado do ano teve participação de 33%, a mesma registrada em 2003. Já em 2002, a participação era 35%. O índice que aponta os registros no sistema financeiro (bancos) apresentou a terceira maior participação no indicador, com 29%; a mesma em 2003. Em 2002, 24%. Com a menor representatividade estão os títulos protestados, 2% em 2003, mesma variação apresentada em 2002 e em 2001.

O valor médio das anotações negativas de cheques sem fundos de pessoa física foi R$ 437 em julho de 2004. Já o de títulos protestados foi R$ 622; registros no sistema financeiro, R$ 915, e de registros outros segmentos (cartões de crédito e financeiras), R$ 242.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto