Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Governo estuda duas possíveis alterações para a CPMF

14 Nov 2006 - 16h02

Dentro do pacote de medidas que o governo analisa para reduzir gastos e garantir um crescimento anual de 5%, há duas alternativas para a redução do custo da CPMF para empresas e consumidores. De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o governo analisa duas possíveis alterações na CPMF. A primeira hipótese seria reduzir a alíquota, hoje em 0,38%, de forma gradual ao longo dos próximos anos. Essa redução seria linear, ou seja, igual para todos os setores da economia. Outra possibilidade seria reduzir a CPMF de forma seletiva para setores mais prejudicados pela taxação. O governo deve anunciar ainda neste ano qual alteração será adotada.

Ele explicou que a CPMF é um tributo que tinha pouco impacto na economia, quando começou a ser cobrado. Agora, porém, com a queda da inflação e a redução dos juros, a CPMF passa a pesar mais. A vigência da CPMF termina em dezembro de 2007 e será necessário obter autorização para ser prorrogada a sua cobrança. Essa prorrogação, admitiu o ministro, poderá ser para sempre. A CPMF arrecada por ano R$ 32 bilhões. "Não dá para abrir mão de 32 bilhões", disse o ministro.

O ministro brincou dizendo que o sonho de todo consumidor e de todo o investidor seria acabar totalmente com a cobrança de impostos e contribuições no País. No entanto, explicou, isso não será possível e por isso o governo vai escolher os cortes tributários que tenham maior impacto na taxa de crescimento. "Tem de saber se é CPMF, IPI ou PIS Cofins. Não dá para desonerar tudo. Então temos de fazer escolhas", afirmou. Outra possível medida de desoneração citada pelo ministro seria a redução da contribuição patronal ao INSS.

Política econômica e inflação

O ministro aproveitou para criticar alguns analistas que simplificaram a discussão sobre os rumos da política econômica, ao afirmar que existe uma ala do governo para a qual bastaria reduzir a taxa de juros para que o Brasil automaticamente começasse a crescer de forma mais acelerada. "Estou desmentindo isso", enfatizou o ministro.

Ele explicou que várias medidas já foram, adotadas, como a redução da taxa de juros básica da economia e o aumento do volume de crédito. "Mas isso não é suficiente", disse Mantega. Ele acrescentou que para acelerar o crescimento é necessário melhorar a infra-estrutura, reduzir a carga tributária, fazer um ajuste fiscal no País, continuar com a agenda de reformas econômicas e facilitar a obtenção de licenças ambientais pra novos empreendimentos.

Mantega disse ainda que a meta de inflação não está em discussão pelo governo, como parte do programa fiscal que será anunciado ainda este ano. Ele acrescentou que o governo não planeja reduzir a meta de superávit primário - arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros, atualmente em 4,25% do PIB. "Vai continuar em 4,25% nos próximos anos, de modo a reduzir o montante da dívida em relação ao PIB", afirmou o ministro.

O ministro voltou a negar que o pacote de medidas em análise no governo envolva alguma alteração na política cambial brasileira. Questionado sobre qual seria o nível ideal para a cotação da moeda norte-americana, Mantega respondeu: "é aquele que for determinado pela lei da oferta e da procura".

Havia expectativa no mercado de que esse pacote de sugestões trouxesse medidas na área cambial. Isto porque na semana passada o secretário-adjunto de Política Econômica, Nelson Barbosa, disse à Agência Estado que o governo estava preocupado com o risco de o dólar barato estar inviabilizando setores da economia. Na ocasião, o secretário acrescentou que dependendo de uma análise da equipe econômica, medidas na área cambial poderiam ser adotadas.

 

 

AE

Leia Também

VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro
AUXILIO EMERGENCIAL
Presidente está de acordo a prorrogação do auxílio emergencial
TRAGICO ACIDENTE
Menino de 9 anos morre enforcado com corda de balanço