Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Dólar tem queda em 3 semanas e volta ao R$ 1,75

16 Ago 2010 - 17h24Por Folha Online

A taxa de câmbio doméstica voltou ao "piso" de R$ 1,75 nesta segunda-feira, registrando a maior queda em mais de três semanas. A forte entrada de capital no mercado brasileiro e a redução da aversão ao risco contribuíram para a desvalorização da moeda norte-americana.

O dólar comercial atingiu R$ 1,757 nas últimas operações do dia, em queda de 0,84% sobre o fechamento de sexta-feira --a maior desde 22 de julho. Os preços da moeda americana oscilaram entre R$ 1,756 e R$ 1,773. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo fechou em R$ 1,88, queda de 0,52%.

Ainda operando, a Bovespa sobe 0,66%, aos 66.701 pontos. Nos EUA, a Bolsa de Nova York opera em queda de 0,01%.

"Com a economia norte-americana indo mal, o dólar vai se desvalorizar. A entrada de dinheiro no Brasil é muito grande, porque a taxa de juros aqui está em 10,75% ao ano. Se não tiver nenhuma novidade negativa nos próximos dias, a gente pode testar um novo piso de R$ 1,70", afirmou André de Carvalho Ferreira, da corretora Futura.

Além disso, de acordo com Ferreira, as declarações do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em Belo Horizonte hoje ajudaram a melhorar o cenário no mercado.

De acordo com a agência Bloomberg, Meirelles afirmou que o Brasil está em um "círculo virtuoso" de baixo risco inflacionário, queda na dívida pública, e aumento das reservas internacionais, o que está constribuindo para uma "queda consistente" nas taxas de juros.

A pesquisa Focus, do BC, divulgada nesta segunda-feira, mostra que a projeção para a inflação oficial, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), ficou estável para 2010 (5,19%) e para 2011 (4,80%). Nos últimos 12 meses terminados em julho, o índice acumula alta de 4,6%, quase no centro da meta (4,5%) determinada pelo governo federal.

JUROS FUTUROS

A afirmação de Meirelles mexeu com o mercado futuro de juros, que serve de referência para o custo dos empréstimos nos bancos, e as taxas projetadas fecharam em queda.

No contrato para outubro deste ano, a taxa prevista passou de 10,72% para 10,69%; no contrato para janeiro de 2011, a taxa projetada foi de 10,77% para 10,74%; e no contrato para janeiro de 2012, a taxa prevista caiu de 11,48% para 11,34%.

Esta última chegou a cair 1,8 ponto percentual durante a sessão, para 11,29%, a maior queda intraday desde 2 de outubro. Os números são preliminares e estão sujeitos a ajustes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso