Menu
SADER_FULL
quinta, 13 de maio de 2021
Busca
Brasil

Diesel: empresários discutem estudo sobre a alíquota de 17% do ICMS

16 Set 2010 - 16h51Por Fátima News com assessoria

Com o objetivo de repassar aos seus associados os detalhes do estudo a respeito do impacto da alíquota de 17% do ICMS sobre o óleo diesel comercializado no Estado, diretores do Sinpetro reuniram-se nesta semana com representantes das companhias distribuidoras e com empresários que possuem postos de combustíveis nas rodovias do Estado. No encontro os associados receberam informações sobre o encaminhamento dado pelo Sinpetro a respeito da solicitação de redução da alíquota do tributo, de 17% para 12%.

O estudo foi apresentado pelo presidente do Sinpetro, Mário Shiraishi, que na semana retrasada, juntamente com outros diretores do sindicato, reuniu-se com o governador André Puccinelli. Na ocasião, ele entregou cópia do documento, que segundo o governador, será utilizado como base nos estudos sobre a viabilidade de se reduzir a alíquota do ICMS sobre o óleo diesel.

 No levantamento do Sinpetro, além de comprovar com números ser possível a redução sem que haja queda na arrecadação, os empresários apresentam dados preocupantes: enquanto que a área plantada subiu significativamente, o consumo de diesel vem caindo cada vez mais.

 “Em função da nossa alíquota de 17%, os transportadores abastecem seus caminhões em Estados como São Paulo, onde a alíquota é de 12%. Caso tivéssemos uma alíquota semelhante, teríamos também preços competitivos e, consequentemente, um maior consumo”, argumentou Mário Shiraishi.

É justamente tomando como base o aumento do consumo que os estudos do Sinpetro – que tiveram dados da Agência Nacional de Petróleo, Secretaria de Fazenda de MS e do IBGE – demonstram a viabilidade de ser não apenas mantido, mas até ampliado o volume de recursos arrecadados pelo governo estadual com a venda do óleo diesel.

Com a redução da alíquota, de 17% para 12% e a consequente redução do preço médio ponderado ao consumidor final (pauta do diesel), as vendas serão incrementadas em pelo menos 40%. Esse aumento é explicado devido ao preço do combustível em Mato Grosso do Sul, que se tornaria compatível com o que é praticado nos demais Estados.

“Essa redução implicará na reabertura de postos fechados e instalação de novos empreendimentos. O aumento da arrecadação também ocorrerá em função de atividades agregadas ao transporte rodoviário, como o escoamento da produção agrícola, e à cadeia de produção em geral”, explicou Mário Shiraishi.

Ele destacou, ainda, que tal iniciativa resultará em benefícios para toda a sociedade, uma vez que praticamente tudo gira em torno do transporte rodoviário e, diante disso, a diminuição de custos para o transportador resultará em melhores preços dos produtos para o consumidor final.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada