Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 28 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Após morte de 35 índios cidade de MT decreta emergência

29 Abr 2011 - 05h48Por

O número elevado de mortes em aldeias indígenas de Campinápolis, no interior do Mato Grosso, levou o governo do Estado a decretar nesta semana situação de emergência no município.

Desde o início de 2011, 35 índios da etnia xavante morreram vítimas de doenças como diarreia e pneumonia.

No ano passado, foram registradas 72 mortes nas aldeias de Campinápolis, onde vivem cerca de 6.500 índios. Aproximadamente 80% das vítimas eram crianças com menos de 4 anos.

Segundo o secretário de Saúde do município, João Ailton Barbosa, as comunidades locais "historicamente" receberam um atendimento médico insuficiente por parte da Funasa (Fundação Nacional de Saúde).

Mas a situação piorou no segundo semestre do ano passado, quando o governo criou a Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) para assumir os serviços.

Em uma transição mal sucedida, segundo Barbosa, a Funasa reduziu suas atividades na região antes de a Sesai implementar suas ações, o que fez o índice de mortes aumentar.

O responsável pela Sesai, Antônio Alves de Souza, diz que houve "dificuldades em todo o país" durante a transição e que o processo político que resultou na criação do órgão "criou instabilidade no sistema e nas equipes" a cargo da Funasa.

"Isso pode ter contribuído [para o aumento dos casos de morte], mas é um quadro que já vinha de antes", afirma.

Souza disse que o distrito indígena xavante, localizado em Campinápolis e outros municípios da região, é prioridade da Sesai.

Desde janeiro, uma força-tarefa composta por médicos e outros profissionais foi enviada para melhorar o atendimento às comunidades, o que vem reduzindo o número de mortes, conforme Souza.

O órgão também aumentou em 25% a equipe de saúde permanente e comprou veículos especiais para o deslocamento dos doentes.

Ao decretar situação de emergência, a Prefeitura de Campinápolis pediu ao governo federal que libere recursos para a construção de um novo hospital, que permitiria o atendimento de casos de média complexidade.

A reportagem procurou a assessoria da Funasa e do Ministério da Saúde para questionar a atuação do órgão durante a transição, mas não obteve resposta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço