Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de janeiro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Agricultores exigem lei que facilite venda de produtos saudáveis

9 Mai 2011 - 16h57Por CPT/MS

Pequenos agricultores familiares e consumidores solidários, junto com a Comissão Pastoral da Terra (CPT/MS) reclamaram por uma lei estadual específica para a liberação ambiental e registro sanitário de produtos agro-ecológicos, durante um encontro realizado em Indápolis, município de Dourados, no ultimo sábado (7).

A atividade fez parte da proposta de constituição de uma cooperativa para pequenos camponeses produtores de orgânicos e de alimentos agro-ecologicos e de consumidores solidários. A reivindicação de uma legislação estadual que esteja adequada à realidade dos pequenos produtores foi feita na presença do deputado estadual Laerte Tetila, membro da Comissão de Agricultura da Câmara de Deputados. O deputado foi convidado para se informar em relação à idéia da cooperativa; e, na reunião, declarou-se “entusiasta da agricultura familiar camponesa”.

Participaram também do encontro Daniel Alves, secretário de agricultura de Novo Horizonte do Sul; e os representantes da Cooperativa Agropecuária da Fronteira de Ponta Porá; Cooperativa dos Pequenos Agricultores dos Pioneiros do Sul, de Itamaraty/MS; Cooperfamiliar, de Juti/MS; da Associação de Mulheres Rurais Empreendedoras de Santa Teresinha, Itaporã/MS; e da Associação de Produtores Orgânicos de Mato Grosso do Sul (APOMS).

Segundo os agricultores familiares a legislação existente sobre a questão da liberação ambiental e vigilância sanitária é um grande entrave para os pequenos e que é necessária uma lei especifica e diferenciada que contemple a realidade objetiva do lavrador familiar. Todos entenderam que a legislação que está em vigor foi pensada para os grandes e que adequar-se a ela é, além de burocrática, excessivamente, custosa.

As dificuldades para a liberação de alimentos para a comercialização são enormes e prejudica aos produtores da agricultura familiar na sua potencialidade, que no Mato Grosso do Sul estão buscando seu fortalecimento. “Para nós a legislação não é educativa e sim punitiva. Nós estamos fora da lei e a lei é incompatível com a nossa realidade”, sentenciou um dos participantes do encontro.

Os agricultores e consumidores presentes concordaram também que nos seus anseios de maior independência e oportunidades para questões como a economia solidária, cooperativa para pequenos agricultores e as exigências para selos de qualidade para produtos agroecologicos e orgânicos, às legislações federais e estaduais só enxergam e ensaiam formas de colocar aos pequenos nas lógicas capitalistas de mercado.

Denunciaram que se vem impondo a esses setores sua adequação em pastas e legislações que foram pensadas exclusivamente para os que concordam com a lógica do patrão, do individualismo e da acumulação.

“A gente acredita que outra forma de organização, produção e de economia é possível, más precisamos ter coragem para isso. Nós acreditamos numa forma de produção, consumo e comercialização que beneficie os dois lados. Não queremos entrar na lógica do individualismo e rechaçamos legislações que obrigam às pessoas que pensam diferentes a continuarem sozinhos e isolados, e aceitem como única alternativa virar patrão”, assentiram os presentes.

Outra questão importante que foi colocada é sobre o que é produzido dentro da agricultura familiar no Mato Grosso do Sul. Foi de consenso que a variedade produzida pelos pequenos agricultores no MS “é muito grande”. Embora não em quantidade, a força necessária pode ser conquistada por médio da organização de uma cooperativa ou central de produtores e consumidores de alimentos saudáveis. “Nós temos os produtos e temos todas as condições para fortalecermos. A nossa produção não esta organizada e por isso também ficamos expostos a aparências e propagandas ruins perante o consumidor, quando vemos o que esta sendo comercializado no mercado como orgânico”.

Foi colocado igualmente que o Estado de Mato Grosso do Sul cada vez cheira mais a veneno; com o leite materno fornecendo veneno; com toda a infra-estrutura logística voltada sobre tudo para o agronegócio empresarial e agüentando uma bancada ruralista majoritária que toma conta de todo no Congresso Estadual.

Na ocasião o deputado Tetila denunciou também que o governo de Puccinelli não coloca nada a favor da Agricultura familiar e que com o pouco que chega do governo federal , em relação aos outros Estados, o atual governo de MS só está fazendo propaganda.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro