Menu
SADER_FULL
terça, 21 de maio de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
RACHADINHA

Parentes empregados pela familia Bolsonaro devolviam até 90% dos salários

Quebra dos sigilos de 95 empresas e pessoas ligadas ao senador Flávio Bolsonaro amplia a suspeita de nepotismo e de "rachadinha" por parte do clã; segundo a revista Época

16 Mai 2019 - 12h33Por Brasil 247

247 - A quebra dos sigilos bancários e fiscal de 95 empresas e pessoas ligadas ao senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, na época em que era deputado estadual pelo Rio de Janeiro, amplia a suspeita de nepotismo e de "rachadinha (quando funcionários do gabinete repassam parte do salário para o político que os empregou)" por parte do clã. Segundo reportagem da revista Época, 12 dos investigados possuem parentesco com Ana Cristina Siqueira Valle, a segunda mulher de Jair Bolsonaro e mãe do filho mais novo do presidente, Jair Renan. Segundo a reportagem, dois membros da família Siqueira Valle relataram terem devolvido até 90% dos salários na época em que trabalhavam no gabinete de Flávio Bolsonaro.

Conforme a reportagem, "uma pessoa próxima contou que os parentes nomeados nunca fizeram o trabalho de assessoria parlamentar. De quatro em quatro anos, a única coisa que faziam era distribuir santinhos no período de campanha pela reeleição de Flávio e Jair Bolsonaro. De acordo com essa pessoa, ao menos dois familiares admitiram que repassavam cerca de 90% dos salários para os parlamentares".

Ainda conforme a reportagem, "a estratégia da ex-mulher do presidente, segundo a fonte, era perguntar quem desejava "dar o CPF" para "arrumar cargo" no gabinete do marido". Desta forma, "entre 2000 e 2007, surgiram nas listas de funcionários do gabinete do deputado federal Jair Bolsonaro os nomes de integrantes da família Siqueira Valle" e "com o tempo, as nomeações dos integrantes da família de Ana Cristina passaram a ocorrer também no gabinete de Flávio Bolsonaro, eleito deputado estadual na Alerj a partir de 2003.

Em nota, o senador Flávio Bolsonaro qualificou a reportagem como sendo uma fake news. "O senador Flávio Bolsonaro se recusa a comentar uma suposta gravação a qual não teve acesso. É uma irresponsabilidade divulgar qualquer áudio sem que se saiba quem fala, quem grava e em que contexto a gravação foi feita. Em tempos de Fake News, esse tipo de conteúdo é uma armadilha que pode induzir os leitores ao erro e a julgamentos enganosos", disse o parlamentar no texto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROSE MODESTO EM CULTURAMA
Rose Modesto visita distrito e quer saber as prioridades para emendas ainda este ano para Culturama
IDADE MINIMA
Reforma da Previdência: idade mínima pode ficar menor para professor
JATEÍ - FESTA DA FOGUEIRA
Confira a programação dos Shows da Festa da Fogueira de Jateí
VICENTINENSES JÁ EM TRÊS LAGOAS
Atletas Vicentineses já se encontram em Três Lagoas para os jogos escolares da Juventude
AÇÕES ROSE MODESTO
Rose Modesto quer aumentar pena por feminicídio, Assista a entrevista
JUSTO - NO SENADO
Comissão do Senado aprova projeto que obriga presos a pagarem por suas despesas
VICENTINA - SHOW CONFIRMADO
Confirmado, Maiara e Maraisa é uma das atrações dos festejos do aniversário de Vicentina
MOTIVAÇÃO POLITICA
Vereador é preso em posse de armas supostamente usadas em atentado contra casa de prefeito
AÇÕES ROSE MODESTO
Deputada Rose Modesto cobra de Ministro da Educação retomada de investimentos para setor educacional
PROTESTO NACIONAL
Milhares protestam contra bloqueios na Educação, Bolsonaro chama manifestantes de 'idiotas úteis'