Menu
SADER_FULL
terça, 12 de novembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
FACULDADE

Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar

Da cozinha do apartamento de Alice Miler, de 24 anos, no Centro de Duque de Caxias, dá para ouvir o barulho dos trens.

19 Ago 2019 - 08h41Por Extra

Da cozinha do apartamento de Alice Miler, de 24 anos, no Centro de Duque de Caxias, dá para ouvir o barulho dos trens. Além de serem um meio de transporte, os vagões da locomotiva representam, para a jovem, um local de trabalho. É ali que ela vende os doces caseiros produzidos pela irmã, Kezia Miler, de 32 anos. Com o dinheiro arrecadado, dia após dia, as irmãs sustentam a casa e chegam mais perto de conquistar o sonho que compartilham: concluir a faculdade.

Alice e Kezia são mineiras, mas se mudaram para o município da Baixada Fluminense, em 2015, com o objetivo de estudar engenharia de petróleo e gás na Unigranrio. Trabalhar nessa área era um antigo sonho de Alice. De tanto ouvir a irmã falar, Kezia tomou gosto pela profissão. Onde elas moravam não havia universidade que oferecesse o curso. Então, resolveram arriscar.

Kezia Miller prepara os doces para Alice vender

Kezia Miller prepara os doces para Alice vender Foto: Márcia Foletto

e segunda a sexta-feira, Kezia chega às 22h em casa, após a faculdade. Mas ela não vai dormir e nem estudar. Começa a preparar os doces que serão vendidos por Alice no dia seguinte. Kezia fica até as 4h da manhã na produção, que às vezes tem a colaboração da mãe delas, Sirley Miler. Só depois disso vai dormir.

Alice se levanta às 8h e, duas horas depois, embarca em um trem na estação Duque de Caxias para dar início às vendas.

— Bom dia a todos, com licença. Meu nome é Alice, estou vendendo deliciosos doces para pagar as despesas da minha faculdade e da minha irmã — explica ela, que aproveita a abordagem para pedir indicações de vagas de estágio na área de petróleo e gás.

Em pouco tempo surge o primeiro comprador.

— Eu a vejo sempre aqui e gosto de ajudar. Estamos vendo essa situação muito complicada no país, o governo não se preocupa com a gente. Ela é esforçada, é importante ajudar — diz Valdomiro Barbosa.

Qualidade aprovada

A venda dos doces rende, em média, R$ 1.500 por mês. Parte dos ganhos é usada para pagar o colégio particular da pequena Manu, de 6 anos, filha de Alice. O resto vai para os materiais da faculdade e todos os gastos da casa. Como têm o financiamento do Fies, as jovens não pagam mensalidade.

Além de ajudar nos sonhos das irmãs, os passageiros compram os doces pela qualidade.

— Está aprovado, é muito gostoso — elogia o empreiteiro Paulo Duarte.

No cardápio, há duas opções: cone trufado, oferecido com cinco tipos de recheio, que custa R$ 3 (cada) ou dois por R$ 5; e a palha italiana, com dois sabores, que sai a R$ 2 (cada) ou três por R$ 5.

Alice vende os doces de 10h às 17h, fazendo diversas viagens e trocas de trem.

No fim da tarde, ela encerra as vendas e vai para casa se arrumar para ir à faculdade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MOBILIZAÇÃO
Energia solar reduz custos para todos os consumidores
GERAÇÃO DE EMPREGOS
Saiba o que está previsto no pacote do emprego que será anunciado nesta 2ª feira
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Mato Grosso do Sul tem 770 vagas de emprego nesta segunda-feira
BORA TRABALHAR
Ao menos 14 órgãos abrem inscrições nesta segunda para 2,8 mil vagas
VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
Domingo é dia de almoçar no Pesqueiro 7 Bello, confira o cardápio em VICENTINA
BONITO - MS - TURISMO SUSTENTÁVEL
Barco sustentável movido a energia solar é atração nas águas do Rio Mimoso em Bonito (MS)
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Repasses do Governo do Estado à Santa Casa da Capital neste ano totalizam R$ 31,8 milhões
FÁTIMA DO SUL - MERCADO JULIFRAN
Compre e concorra a muitos prêmios, hoje tem QUINTA FILÉ no Mercado Julifran em Fátima do Sul
JOGOS ONLINE - DICAS
Como jogar online sem correr nenhum risco
AÇÃO SOLIDÁRIA
Para presentear crianças carentes, Governo lança Ação Solidária de Natal nesta quinta-feira, 07