Menu
SADER_FULL
segunda, 15 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Meta fiscal fica mais distante

Contas do governo têm pior resultado para mês de agosto desde 1996

27 Set 2013 - 16h00Por Folha

Com a arrecadação de impostos crescendo abaixo do esperado e as despesas em alta contínua, os resultados das contas do governo federal continuam distantes das metas prometidas para o ano.

Segundo o Tesouro Nacional divulgou, a receita de agosto superou em exatos R$ 87 milhões  as despesas com pessoal, custeio administrativo, programas sociais e investimentos. O saldo mantém o desempenho do ano inferior ao de 2012, quando as contas só fecharam com truques de contabilidade.

Um mês depois da promessa oficial de maior rigor no controle das despesas, o superavit primário _isto é, sem considerar as pagamentos de juros da dívida_ foi bem inferior ao R$ 1,6 bilhão de um ano antes e o pior desde 1996.

O mês é normalmente favorável para as contas públicas, por concentrar o pagamento de dividendos de empresas estatais ao Tesouro. Essa fonte de recursos, no entanto, dá sinais de esgotamento. Entre lucros declinantes e menos folga no caixa, as estatais pagaram R$ 4,8 bilhões a seu controlador no mês passado, contra R$ 5,8 bilhões um ano antes.

A piora reduziu as possibilidades de atingir sem truques de contabilidade a meta de poupar neste ano R$ 73 bilhões para o abatimento da dívida pública _e, principalmente, para ajudar no combate à inflação.

O saldo dos primeiros oito meses do ano está em R$ 38,5 bilhões, bem abaixo dos R$ 53,6 bilhões do período corresponde de 2012.

O desempenho também torna mais difícil sustentar a tese recente do Banco Central segundo a qual a política fiscal caminha para a neutralidade, ou seja, para deixar de alimentar a inflação com gastos em alta.

A afirmação foi feita pelo Comitê de Política Monetária no início do mês; até então, o BC considerava _como praticamente todos os analistas de fora do governo_ que a escalada das despesas públicas elevava o consumo e dava combustível à elevação dos preços.

Também permanece sem amparo dos números a argumentação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que as despesas do Tesouro privilegiam investimentos, como obras e equipamentos capazes de ampliar a capacidade produtiva do país.

Enquanto as despesas do ano superam as de 2012 em 12,6%, os investimentos estão caindo 0,8%. Em agosto, foram 3,3 bilhões, abaixo dos 5,6 bilhões de julho.

Resta ao governo torcer por uma aceleração de suas receitas até o final do ano: até agosto, o crescimento foi de 8%, enquanto a meta fiscal pressupõe uma taxa de 12%. Uma esperança é a reabertura do  Refis, o programa de parcelamento de dívidas tributárias, aprovada recentemente pelo Congresso e ainda dependente da sanção presidencial.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MOURA MÓVEIS USADOS
Moura Móveis Usados de Fátima do Sul tudo em até 6 pagamentos
TEMPESTADE
Chuva de 130 milímetros alaga 24 casas em Caarapó e prefeitura mantém alerta
VAGAS DE EMPREGO
Governo chama candidatos da PM para prova de título e teste psicológico
VICENTINA - ALMOÇO NO PESQUEIRO
Domingo de eleição, é dia de almoçar no Pesqueiro 7 Bello, confira o cardápio em VICENTINA
FÁTIMA DO SUL - LIQUIDA FÁTIMA
O Boticário participa do LIQUIDA FÁTIMA, além dos preços baixos o cliente parcela em até 5 vezes
POLACO RESTAURANTE - FATIMA DO SUL
Liquida Fátima tem a participação do Polaco Restaurante em Fátima do Sul
FÁTIMA DO SUL - SEXTA DO PEIXE
"Sexta do Peixe" é no Mercado Julifran, confira as ofertas em Fátima do Sul
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo abre 1,5 mil vagas de trabalho para a educação
FATIMA DO SUL - CURSOS
Empresa PAP Cursos e Concursos realizará Cursos Profissionalizantes em Fátima do Sul
FÁTIMA DO SUL - MERCADO JULIFRAN
4 dias de "OFERTAÇO" no Mercado Julifran confira de 03 à 06 de outubro em Fátima do Sul