Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 19 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Risco Brasil e petróleo pressionam e dólar fecha em alta

25 Out 2004 - 16h00
O dólar encerrou em alta de 0,45 por cento nesta segunda-feira, vendido a 2,884 reais, pressionado pela subida do risco-país e pelas preocupações com o alto preço do petróleo.

Segundo analistas, apesar do pequeno declínio no preço do petróleo nesta sessão, ele permanece elevado e traz as preocupações sobre um possível desaquecimento global.

Após atingir recorde de 55,67 dólares o barril durante a negociação eletrônica pela manhã, o petróleo para dezembro em Nova York encerrou em queda de 0,63 dólar, negociado a 54,54 dólares o barril.

"O mercado entendeu que há os soluços e depois ele cai por ajuste, isso não muda a visão do mercado de que o petróelo está estressado", explicou Jorge Knauer, gerente de câmbio do Banco Prósper, no Rio de Janeiro.

A preocupação com o petróleo abateu o mercado acionário externo e o mercado de dívida, e o efeito dessa piora refletiu no mau humor do câmbio, disse o analista. Na maior cotação do dia, o dólar chegou a 2,890 reais.

O risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, superou 500 pontos-básicos acima dos títulos do Tesouro norte-americano na sessão --maior patamar desde setembro. A queda foi motivada pela maior procura por Treasuries devido às preocupações do impacto do petróleo nos mercados emergentes, disseram analistas.

"A alta do câmbio é reflexo do cenário internacional já que o cenário interno não é dos piores", concluiu Knauer, destacando também o declínio das bolsas de valores européias.

Para Tarcísio Rodrigues, gerente de câmbio do Banco Paulista, a desvalorização do real também demonstra as expectativas em torno da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, quando a taxa básica de juro subiu para 16,75 por cento.

"O dólar subiu muito em cima da expectativa da ata do Copom. O mercado está preocupado em ver até que ponto o Banco Central vai agir de forma independente", afirmou o analista.

O gerente destacou ainda que o volume mais equilibrado no fluxo de negócios permitiu que a divisa norte-americana sofresse mais pressão.

 

Reuters

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares