Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Refém filipino é libertado no Iraque

20 Jul 2004 - 08h05
O refém filipino Angelo dela Cruz foi libertado hoje no Iraque, após ter sido seqüestrado há cerca de duas semanas por rebeldes. A presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, confirmou a informação. Ele estava detido há duas semanas por um grupo armado no Iraque.

O governo das Filipinas já retirou do país suas tropas, composta por 51 homens, atendendo à exigência dos insurgentes, que ameaçavam matar o civil.

O filipino seqüestrado no Iraque foi entregue à embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Bagdá e goza de "boa saúde". "Está aí dentro e em boa saúde", declarou um diplomata, que pediu o anonimato.

A embaixada está situada no bairro Mansur (sudoeste de Bagdá). O diplomata acrescentou que sua embaixada publicará um comunicado sobre as circunstâncias da libertação de Angelo dela Cruz, motorista de caminhão de 46 anos, pai de oito filhos e que esteve ameaçado de ser decapitado por seus seqüestradores.

A informação da libertação foi divulgada pela rede de televisão Al-Arabya. A retirada das tropas filipinas foi criticada pelos Estados Unidos. Segundo o Departamento de Estado dos EUA, a atitude enviaria "um sinal errado aos terroristas".

A emissora de televisão árabe Al-Jazira exibiu um vídeo que mostrava o refém pedindo ao governo de Manila para que retirasse suas tropas do país. O canal havia mostrado, dias antes, um primeiro vídeo no qual aparecia o filipino junto a um grupo armado que ameaçava executá-lo caso as tropas filipinas não fossem retiradas do Iraque.

Em um discurso exibido pela televisão nacional, Macapagal Arroyo agradeceu a todos os filipinos e estrangeiros que facilitaram as negociações e permitiram a libertação deste civil, um caminhoneiro de 46 anos e pai de oito filhos. "Foram momentos de tormento e triunfo", disse a presidente, depois de defender sua decisão de retirar as tropas filipinas do Iraque para assegurar a vida do refém.

O autodenominado "Exército Islâmico do Iraque" seqüestrou Angelo dela Cruz quando ele dirigia um caminhão carregado de combustível para a Arábia Saudita, e deu como prazo até o dia 20 de julho para assassiná-lo se as autoridades filipinas não retirassem suas tropas do país árabe.

O governo de Manila, que tinha previsto retirar seus soldados em 20 de agosto, aceitou as condições, e na semana passada iniciou a retirada, que terminou na segunda-feira, um dia antes do ultimato dado pelos seqüestradores. A decisão não esteve isenta de polêmica e ganhou as críticas dos Estados Unidos e seus aliados, mas a presidente das Filipinas disse hoje que um milhão de trabalhadores filipinos trabalham no Oriente Médio, e que era uma prioridade salvar a vida de Angelo de la Cruz.

"Agora devemos comemorar as boas notícias, sem esquecermos que é preciso trabalhar para criar um mundo mais humilde e pacífico", concluiu Macapagal Arroyo em seu discurso à nação.

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação