Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 22 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Prouni pode ter meia bolsa e vestibular a beneficiados

2 Jul 2004 - 08h13
A proposta do Prouni (Universidade para Todos) que será votada pela Câmara dos Deputados deverá conter ao menos cinco reivindicações dos representantes de universidades e estudantes: inclusão da meia bolsa; maior seleção dos beneficiados; participação de bolsistas do ensino médio privado; e diminuição do percentual de bolsas concedidas e regra de transição para as filantrópicas que aceitarem se transformar em instituições com fins lucrativos.

Essas são as intenções do deputado Irineu Colombo (PT-PR), relator da comissão especial que analisa o projeto do Ministério da Educação. Ele participou de um debate público nesta quinta-feira (1º), em São Paulo. A idéia é incluir no ensino superior privado alunos com renda familiar de até um salário mínimo, preferencialmente da rede pública, e professores da rede pública da educação básica. O relator afirma que ao menos 100 mil estudantes seriam beneficiados, mas a inclusão de bolsa parcial pode aumentar para 150 mil.

De acordo com Colombo, o projeto --que recebeu 292 emendas-- deverá ser votado pelo plenário em agosto e, se aprovado em todas as etapas, colocado em prática no começo do próximo ano. Há uma pequena chance de o texto ser votado na comissão na próxima semana.

Um dos pontos criticados por representantes das instituições e dos estudantes é a renda per capita exigida, de um salário mínimo, o que impossibilitaria o estudante de se manter na universidade. "Não deverá haver mudança nesse ponto", disse Colombo. "Com essa exigência, será necessário um investimento pesado em auxílio aos estudantes", afirmou o presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), Gustavo Petta.

Segundo o deputado, a única alteração poderá ser um dispositivo que inclua estudante com renda per capita de até três salários mínimos, desde que a renda familiar não ultrapasse o valor da mensalidade (por exemplo: se o estudante escolher um curso que custe R$ 600, sua família não poderá ter renda superior a esse valor).

Mais atendidos

"Por que, em vez de 100 mil bolsas integrais, não damos 150 [mil]: 50 integrais e 100 meias?", sugeriu o vice-presidente do Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo), Hermes Figueiredo.

Após o debate, o relator da comissão disse que "se os deputados aceitarem meia bolsa e uma regra de transição para que daqui um tempo todo mundo tenha integral, há boa chance de inclusão [no projeto]".

Sobre as instituições filantrópicas, o deputado aceita mudanças. As universidades que decidirem virar com fins lucrativos, poderão pagar os impostos de forma escalonada, durante um período de adaptação. "Elas poderão dispor de patrimônio, mas estarão à disposição de uma fiscalização mais transparente e pagar imposto de renda pessoa jurídica, mais imposto de pessoa física e toda a cota patronal do INSS."

Atualmente, essas instituições têm imunidade desses impostos. Em troca, precisam oferecer "gratuidade" do equivalente a 20% da renda bruta. O Prouni também pode agir neste ponto. Segundo o projeto enviado à Câmara, para manter a isenção desses impostos, as universidades deveriam destinar 20% das vagas a bolsas integrais. O relator admite mudar essa exigência. "Talvez possamos exigir 15% de bolsas e 5% [da renda bruta] de gratuidade."

A regulação das filantrópicas é um dos pontos mais polêmicos do Universidade para Todos. O governo federal quer fiscalizar melhor a "gratuidade" oferecida e, por isso, quer exigir uma porcentagem fixa de bolsas. Segundo o governo, atualmente é muito difícil realizar o controle. "Claro que há modo de se fiscalizar. Como se consegue fiscalizar as contas de um Estado e não se consegue fiscalizar uma universidade com 100 alunos?", disse Figueiredo, do Semesp.

Seleção

Outro ponto que o relator aceita mudar no projeto original é a forma de seleção dos beneficiados. A princípio, seria usado apenas a nota e a renda declarada no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O deputado Colombo quer permitir a aplicação de um vestibular nos pré-selecionados e as universidades teriam de implementar uma comissão para checar a renda do estudante.

Com isso, as universidades seriam cobradas pela veracidade dos dados. "Não quero mais problema", brincou o vice-presidente do Semesp.

 

Folha On Line


Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade