Menu
SADER_FULL
sábado, 7 de dezembro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Mato Grosso pode ficar sem gás natural a partir de amanhã

16 Abr 2007 - 09h07

O fornecimento de gás natural ao Estado está novamente ameaçado e pode ser interrompido a partir de amanhã. Os bolivianos exigem a inclusão de nova cláusula que isente a estatal YPFP (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) de qualquer punição em caso de não cumprimento das metas de fornecimento previstas no contrato de compra e venda que existe com a EPE (Empresa Produtora de Energia), que opera a usina termoelétrica de Cuiabá, a Mário Covas.

Em 2006, de agosto a outubro, a usina esteve desativada por cerca de 60 dias por falta de matéria-prima, conseqüência de uma determinação do governo da Bolívia, para atender ao mercado argentino e por avarias nos compressores das estações de gás daquele país. Segundo informações veiculadas pelo jornal Folha de S. Paulo ontem, a cláusula prevê que a YPFB poderá deixar de fornecer gás natural a Cuiabá sem nenhuma punição caso seja necessário desviar a produção para atender o consumo doméstico.

Ainda segundo a Folha, o atual acordo vence na segunda e o ultimato foi dado pelo presidente da YPFB, Guillermo Aruquipa, durante reunião realizada na última quarta-feira em Santa Cruz de la Sierra. A reunião teria sido interrompida pelos representantes bolivianos depois que a empresa brasileira disse que não aceitaria a cláusula quatro do novo contrato.

O reportagem tentou contatos com os diretores da EPE, no final da manhã de ontem, mas não obteve sucesso. A entrada em vigor do novo reajuste estava prevista para hoje. Em fevereiro, o reajuste de 253% foi autorizado pelo governo brasileiro, a pedido da Bolívia, sobre o preço do gás natural exportado pela Bolívia à EPE. Os valores passariam de US$ 1,19, para US$ 4,20 por milhão de BTU (medida de energia).

Ainda de acordo com informações da Folha, este novo impasse foi incluído na agenda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante sua participação na Cúpula Energética da Comunidade Sul-Americana de Nações, na Venezuela, onde ele deve se reunir com o presidente Evo Morales. O encontro de dois dias começa justamente amanhã.

A EPE tem contrato firme por mais 15 anos para receber o insumo boliviano. O documento prevê a compra de 2,2 milhões de metros cúbicos diários. O empreendimento trouxe ao Estado investimentos R$ 1,5 bilhão - planta e o gasoduto Bolívia-Mato Grosso – o maior já recebido pelo Estado por uma empresa privada.

A capacidade plena da planta, em ciclo combinado, pode gerar 520 Megawatts (MW). A energia produzida é comercializada para a Furnas e vai para o Sistema Interligado Nacional. O ramal que abastece a termoelétrica, obra privada também, opera de forma independente ao gasoduto que abastece o centro-sul do país.

 

Diário de Cuiabá

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Samantha Schumutz e Marcus Majela brigam feio nos bastidores e são apartados por equipe
FOREX NO BRASIL
Como Investir em Forex no Brasil
SONHO DE CONSUMO
Cota para comprinhas no Paraguai vai para mil dólares
REVELADO
Débora Falabella posta foto e assume namoro com o ator Gustavo Vaz: "Amor com poesia"
BOM REMÉDIO
Anvisa aprova registro e produção de remédios à base de cannabis
CIDADES
Projeto permite venda de remédios em supermercados
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO
Formato do “Big Brother Brasil 20” ainda é um grande mistério na Globo
CONCESSÃO
Consórcio Way-306 pagará R$ 605,4 milhões para administrar rodovia por 30 anos
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira na esposa, mata 5 pessoas na casa da ex e comete suicídio
DICAS
Como saber qual é o melhor fogão e o melhor microondas?