Menu
SADER_FULL
domingo, 20 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Mato Grosso do Sul é 3º no ranking da carga tributária

20 Ago 2007 - 13h12

A relação entre a riqueza produzida por um Estado PIB (Produto Interno Bruto) e sua população comprova que a carga tributária per capita paga pelos sul-mato-grossenses, nos seis primeiros meses deste ano, é a terceira maior do País na comparação com a das demais unidades da federação. No ano passado, MS ocupava a quarta posição no ranking nacional de pagamento do imposto.
Na prática, o pagamento estadual de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é, proporcionalmente, o terceiro maior do País, o que reforça o argumento dos empresários locais de que a política tributária estadual pesa sobre as atividades econômicas de MS, com reflexos na redução da competitividade de diversos setores.

Em 2006, segundo dados do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), o Estado era o quarto no ranking de maior arrecadação per capita de ICMS, atrás apenas do Espírito Santo, São Paulo e Distrito Federal.

Nos doze meses do ano passado, MS arrecadou o equivalente a R$ 1.329,00 por habitante em ICMS: foi pouco mais de R$ 3 bilhões com o imposto para uma população estimada no Estado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2.264.468 habitantes.

De janeiro a junho deste ano, no entanto, foram recolhidos em MS pouco mais de R$ 1,65 bilhão em ICMS, que representam arrecadação per capita de R$ 730,00 no primeiro semestre. O valor equivalente de imposto recolhido por habitante no Estado ficou atrás apenas do alcançado no Espírito Santo e São Paulo. Ou seja, a arrecadação de ICMS per capita ganhou uma posição em 2007, ultrapassando o Distrito Federal.

De acordo com o presidente da CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campo Grande), Marcello Naglis, a posição de MS como um dos líderes em arrecadação de ICMS prejudica a geração estadual de empregos e de renda, uma vez que reflete a elevada carga tributária incidente sobre os empresários locais. "Isso retrai o interesse dos empresários em investir no Estado", disse.

Segundo ele, os empresários e a população deveriam se mobilizar contra essa posição ocupada por MS, exigindo ações políticas que diminuam a carga tributária. "A situação dos impostos em MS está insustentável: a carga tributária está aumentando", reclamou. Naglis explica que os impostos elevados tiram a margem dos lucros dos comerciantes e elevam os preços finais aos consumidores. Em Campo Grande, segundo ele, o preço de cada produto ofertado é formado por aproximadamente 45% de impostos, em média.

Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos