Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

Filha de prefeito processa município em Pernambuco

14 Mar 2007 - 14h12

O procurador regional do Trabalho de Jaboatão (PE), Aluísio Aldo da Silva Júnior, quer que a Justiça anule o acordo celebrado entre a prefeitura da cidade e Solange Manoela Lopes Carneiro, filha do prefeito Newton Carneiro. Ela afirma que foi vítima de um acidente em uma fundação municipal de cultura onde trabalhou, em 1998, e pediu uma indenização de R$ 960 mil.

 

O acordo entre Solange e a entidade para o pagamento da indenização foi fechado logo na primeira audiência do processo, no último dia 29 de janeiro. “Quando se trata de dinheiro público, tanto a Justiça quanto o Ministério Público têm que ser zelosos em averiguar”, reclama Silva Júnior.

 

Solange alega que feriu uma das mãos durante a quebra de uma porta de vidro na festa de confraternização dos funcionários da Fundação Yapoatan, em dezembro de 1998. Nessa época, seu pai cumpria o primeiro mandato na administração municipal.

 

Segundo os documentos da ação, movida cinco anos depois do acidente e cobrando danos morais, estéticos e materiais, Solange teria sofrido seqüelas gravíssimas devido ao acidente. De acordo com a advogada da suposta vítima, Maria Tenório de Moura, até hoje foram realizadas três cirurgias reparadoras e ainda assim os movimentos da mão não foram recuperados. A filha do prefeito teria conseguido aposentar-se por invalidez em agosto de 2002.

O procurador, entretanto, se queixa que o processo não tem uma perícia médica que confirme a gravidade da lesão. Silva Júnior acredita também que a fundação não se defendeu como deveria, uma vez que o acordo para pagamento da indenização foi homologado logo na primeira audiência. Os procuradores do município dizem que, na ata da audiência, não foi registrada a presença dos advogados da instituição. 

A presidente da fundação, Julieta Pontes, não quis gravar entrevista mas, por telefone, disse à reportagem da TV Globo que não autorizou ninguém a fechar o acordo. O primeiro dos oito pagamentos da indenização está previsto para o dia 20 de março, no valor de R$ 110 mil.

O prefeito Newton Carneiro acionou a Procuradoria Geral do Município para entrar com uma ação pedindo a paralisação do processo e suspendendo o pagamento por conta dessas irregularidades. “O município não tem obrigação nenhuma a pagar esse acordo, a não ser que venha uma decisão judicial neste sentido”, diz Aldemar Santos, procurador-geral de Jaboatão. Ainda de acordo com ele, a prefeitura só tomou conhecimento do processo quando recebeu a cobrança da dívida.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico