Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Estado reduz em 90% a TMF

2 Set 2010 - 13h52Por Conjuntura Online
O Estado acatou reivindicação do setor de carvoaria e indústria siderúrgica e reduziu a TMF (Taxa de Transporte e Movimentação de Produtos e Subprodutos Florestais) em 90%.
O decreto que altera os coeficientes utilizados no cálculo da TMF será publicado hoje  (2) no Diário Oficial e entra em vigor a partir de 3 de setembro por período de 30 dias.

O decreto diminui de 0,50 para 0,05 o coeficiente para cálculo da TMF do carvão vegetal originário de florestas de produção, resíduos de erradicação ou de poda de culturas, pomares ou arborização urbana.
O coeficiente do produto originado por supressão de vegetação nativa ou aproveitamento de material lenhoso será reduzido de 1,50 para 0,15.

Em 30 dias os representantes do setor se comprometeram em apresentar uma proposta com a elaboração de mecanismo de coeficiente variável da TMF, que acompanhe as flutuações do preço do carvão com variação entre 10% e 100% do valor total de 1,5 Uferms, o equivalente a R$ 21,96.
O setor também se comprometeu em enviar, mensalmente, os valores praticados pelo mercado para que sirva de base para o cálculo da TMF para o mês subsequente e para fixação do Valor Real Pesquisado, elaborado pela Sefaz (Secretaria de Fazenda do Estado) para cálculo do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços).

Em contrapartida, o Sindicar (Sindicato dos Produtores de Carvão Vegetal do Estado), que reúne empresários de carvoarias, se compromete em suprir a demanda de carvão vegetal das indústrias siderúrgicas instaladas no Estado, desde que o preço não seja inferior ao valor de mercado.
O acordo firmado hoje na Governadoria entre representantes do sindicato, das indústrias siderúrgicas e o governo estadual, assinado pelo governador André Pucinelli e pelo secretário de Meio Ambiente, Planejamento, Ciência e Tecnologia Carlos Alberto Menezes, prevê a suspensão do decreto caso o acordo não seja cumprido.

Ampliação da licença

Além da redução da TMF o Estado também atendeu outra reivindicação do setor e estendeu o tempo de vigência da licença ambiental, de dois para quatro anos, para exploração do carvão vegetal.
A licença passa a ser de dois anos para supressão de matas e mais dois anos para aproveitamento de material lenhoso. Para o presidente do Sindicarv, Marcos José Brito, a nova medida vai gerar economia para os empresários e também diminuir a quantidade de projetos apresentados à Secretaria de Meio Ambiente.

Brito explica que de acordo com a legislação vigente, quando a carvoaria não utiliza o volume total de carvão estipulado na licença ambiental e dentro do prazo previsto no mesmo documento, o empresário é obrigado a apresentar um novo projeto para a Semac (Secretaria de Meio Ambiente estadual), o que onera a atividade do setor.
O custo da licença, incluindo taxas, projeto de engenharia florestal e vistoria, gira em torno de R$ 7 mil. “Pela burocracia e custo, quando o volume é pequeno não vale a pena transformar todo o material em carvão”, explica Brito. “Agora chegamos a um consenso que vai estimular o setor”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede