Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
BRASIL

Daniela Mercury posta foto beijando mulher em protesto contra Feliciano

Cantora postou foto em resposta às manifestações de Feliciano

17 Set 2013 - 08h02Por TERRA

A cantora Daniela Mercury, que assumiu neste ano um relacionamento com outra mulher, a jornalista Malu Verçosa, postou em sua página no Instagram nesta terça-feira uma foto na qual beija a sua companheira em resposta às manifestações do deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que pediu a retirada de duas jovens de um culto religioso após elas se beijarem em público. "Valeu, Yunka e Joana. Só uma pergunta: é proibido beijar no Brasil, é?", publicou a cantora, se dirigindo a Joana Palhares, 18 anos, e Yunka Mihura, 20, expulsas do evento gospel Glorifica Litoral, realizado em São Sebastião, no litoral paulista, no último domingo.

A confusão ocorreu durante um protesto contra o pastor, que contou com um beijaço protagonizado pelas jovens. Durante o ato, porém, Feliciano teria pedido para guardas municipais coibirem os beijos. Ao menos quatro guardas municipais cercaram as meninas e o grupo de amigos que as acompanhava. A abordagem foi filmada por uma testemunha e publicada na internet nesta segunda-feira.

Em sua página pessoal no Facebook, Joana Palhares acusou os guardas de agressão pelo modo como ela foi conduzida. "Nunca imaginei que seria agredida, violentada, algemada e presa por beijar uma mulher em publico!! Vergonha de fazer parte dessa sociedade de merda!!! Estou com nojo do meu país e principalmente da minha cidade ", desabafou a jovem.

Sobre as denúncias, a prefeitura de São Sebastião informou que o caso seria apurado pela corregedoria da Guarda Civil Municipal. Ainda de acordo com a prefeitura, a GCM agiu em cumprimento do “artigo 208 do Código Penal Brasileiro - que prevê pena de detenção de um mês a um ano ou multa ao cidadão que zombar de alguém publicamente por motivo de crença ou função religiosa e impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso”.

Mais tarde, por meio de sua conta no Twitter, Feliciano também defendeu a liberdade de culto religioso. "Toda vez que indivíduos, adentram o local de culto, seja onde for, e atentam sem pudor contra nossos princípios, ferem nossos direitos. Indivíduos invadem o culto, desrespeitam crianças, idosos, agridem as autoridades, chutam os policiais, e por fim dizem ser vitimas?", disse.

Para explicar aos seus seguidores o ocorrido, o deputado fez uma comparação com o futebol. "Final de copa, Argentina e Brasil, quatro argentinos tendo sua arquibancada, vem sentar entre os brasileiros, e começam a xingá-los, imagine. Ou são loucos e necessitam de tratamento mental urgente, ou são baderneiros que querem 5 minutos de fama ou querem briga", disse, completando em outra publicação: "ou a terceira opção. Alguém esta por trás disto usando estes indivíduos como massa de manobra para tentar desestabilizar a ordem".

Após a confusão, as duas jovens foram encaminhadas ao 1º Distrito Policial e lá o delegado de plantão decidiu registrar a ocorrência apenas como averiguação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede