Menu
SADER_FULL
segunda, 19 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Álcool acelera motor da economia em Mato Grosso do Sul

26 Jul 2007 - 04h25

Ao lado do ecoturismo no Pantanal - berço de grande parte do rebanho bovino - e das extensas lavouras de soja e milho, as plantações de cana-de-açúcar começam a ocupar áreas cada vez mais extensas em Mato Grosso do Sul.

Criado há 30 anos com o desmembramento do gigante Mato Grosso, Mato Grosso do Sul é conhecido pela posição no ranking das exportações de carne, mas, entre lutar pelo competitivo mercado, de rigorosas exigências sanitárias, e abastecer o tanque dos americanos, o estado quer se afirmar como potencial produtor de etanol. Investidores não faltam.

Em apenas um mês, empresários do setor sucro-alcooleiro e grandes investidores, como o presidente do Grupo Brasilinvest, Mário Garnero, aportaram em Mato Grosso do Sul para conhecer o potencial do estado, fazer prospecções e estabelecer parcerias.

No caso do Brasilinvest, o governador André Puccinelli discutiu a implantação de polo de agroenergia que prevê investimentos de quase meio bilhão de reais. O complexo será implantado em Maracaju, na região Sudoeste de Mato Grosso do Sul, de onde já saem, via rio Paraguai, 40% do acúcar consumido no Uruguai. O projeto anunciado por Mário Garnero deve estar totalmente implantado até 2009.

O Grupo Brasilinvest responde hoje por mais de US$ 3 bilhões em investimento no Brasil e 25 países. É um dos 150 maiores investidores do País. Na área de bioenergia, o empreendimento em Mato Grosso do Sul é o primeiro investimento do Grupo.

Situado entre os principais centros consumidores do País - São Paulo, Minas, Paraná -, MS quer ser o elo de integração física e econômica do Sudeste com o Centro-Oeste e Norte. Para superar esse desafio, o governo do Estado elegeu cinco prioridades na área de infra-estrutura e vai contar com a contribuição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) lançado pelo presidente Lula.

"Vamos superar as distâncias investindo mais em ferrovias, revitalizando os portos e melhorando a navegabilidade na hidrovia Paraná-Paraguai. Com a expansão do setor sucro-alcooleiro torna-se vital a construção de um poliduto, que conseguimos incluir no PAC", projeta o governador André Puccinelli.

Tecnologia

Para o governo de Mato Grosso do Sul, não basta a disponibilidade de terras para o cultivo da cana-de-açúcar. A inserção do estado no chamado 'clube do etanol', liderado por São Paulo, implica também em investimentos na pesquisa. Na velocidade que os investimentos são projetados, a equipe econômica do governador Puccinelli calcula que até 2012 a produção de cana no estado deve crescer 620%.

Diante dessa perspectiva, o governo também busca a transferência de tecnologia. A idéia é ganhar mais produtividade e ampliar o período da safra, concentrada nos meses de abril a novembro.

Segundo projeção do Conselho de Desenvolvimento Industrial da Secretaria de Estado da Produção, Comércio, Indústria e Turismo, até 2009 algo em torno de 710,5 mil hectares serão ocupados pela cultura canavieira. Até lá 31 novas usinas estarão operando em plena capacidade, com investimentos de R$ 4,5 bilhões. Nessa fase, essas agroindústrias terão capacidade de moagem de 56,4 milhões de toneladas/ano e produção de 11,3 milhões de toneladas de açúcar e mais de 2 bilhões de litros de álcool por ano.

Hoje MS tem 10 usinas em funcionamento. Das 31 destilarias projetadas. entre 10 e 15 devem se instalar ainda em 2007, segundo o presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação de Açúcar e de Álcool de Mato Grosso do Sul, José Pessoa Queiroz Bisneto, um dos primeiros usineiros a investir no estado.

Incentivo fiscal

Além do incentivo fiscal, decreto promulgado pela Assembléia Legislativa autoriza o Poder Executivo a promover isenção total do ICMS durante 15 anos aos produtores que promoverem reflorestamento e plantação de cana-de-açúcar para abastecimento de usinas de álcool ou produção de açúcar. Para a secretária da Produção, Indústria, Comércio e Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa, um aspecto importante da nova base econômica é a geração de emprego. O setor sucro-alcooleiro, que hoje emprega 15.074 pessoas, deve chegar a 43.238 postos de trabalho.

Agronegócio representa

um terço do PIB estadual

O agronegócio responde por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso do Sul. Constituindo-se no motor da economia, envolve 1,5 milhão de hectares de culturas temporárias, 16 milhões de hectares com pastagens cultivadas e 6 milhões de hectares de pastagens naturais.

Com 25 milhões de cabeças, o rebanho bovino ocupa a segunda posição em número de animais de corte no País e é, em sua grande maioria, criado a pasto. O estado é responsável pela produção de mais de 800 mil toneladas de carne, que corresponde a 13% de tudo que o Brasil produz e 52% da carne exportada pelo País.

Em MS, crescem também as unidades produtoras de frangos, suínos e avestruzes, com abate de cerca de 250 mil frangos por dia. Grande parte dessa produção é exportada para a Europa, Ásia e África. O estado também está entre os maiores exportadores mundiais de peixes criados em cativeiros e os principais produtores de grãos do país, com destaque para a soja.

Demanda mundial e

incentivos estimulam corrida

Cultura introduzida no Brasil durante a colonização portuguesa, a cana-de-açúcar retoma o fôlego e contabiliza aumentos sucessivos na produção anual. Essa evolução deve-se, em grande parte, ao aumento no consumo interno de álcool combustível e ao interesse mundial por fontes renováveis de energia. Isso tem estimulado os investidores a aproveitar os incentivos fiscais no Centro-Oeste. Em Mato Grosso do Sul esse incentivo significa 90% de redução do ICMS. 

“A evolução da produção e consumo do álcool ocorre no mundo todo. Esse aumento deve-se, em boa medida, ao preço baixo do álcool combustível. Os carros agora são bicombustível, tendo o motorista a opção de escolher, e é claro que a decisão será pelo mais barato”, diz o presidente do Sindálcool, José Pessoa Queiroz Bisneto. Segundo ele, neste ano a previsão de aumento na produção é de 20%.

O Brasil é hoje o principal produtor de cana-de-açúcar do mundo. Seus produtos são largamente utilizados na produção de açúcar, álcool combustível e mais recentemente, biodiesel. Mato Grosso do Sul representa 3% da produção nacional, sendo 60% do cultivo convertido em álcool e 40% em açúcar. Segundo José Pessoa, o consumo estadual chega a 1/3 da produção - “o restante vai para o Sul e Sudeste. Uma parcela é exportada a países do Oriente Médio e Rússia”.

Para o economista e membro do Conselho Regional de Economia (Corecon), Paulo Salvatore Ponzini, a instalação das usinas é muito importante para a agricultura. “Este movimento é importantíssimo. A diversificação de atividades, além de ocupar espaço, traz empregos, dá alternativas para o produtor rural e baseia a economia do Estado em produtos diferentes, não apenas soja e boi.”

Vedete dos combustíveis

Junte a alta nos preços do petróleo no mercado internacional, a adoção de políticas públicas por países desenvolvidos para incentivar o uso de combustíveis alternativos e menos poluentes e uma vocação natural para plantar cana-de-açúcar e construir usinas: está explicado o sucesso do álcool brasileiro. Ao lado dos Estados Unidos, o Brasil ocupa a posição de líder no setor sucroalcooleiro mundial e vem atraindo uma onda de investidores estrangeiros para o país. O etanol, quem diria, deixou de ser um produto tupiniquim para virar a vedete dos combustíveis em todo o mundo.

Por que tanto interesse no álcool brasileiro? No ano passado, o mercado brasileiro de etanol movimentou US$ 6 bilhões. Em 2010, deve chegar a US$ 15 bilhões. Além disso, a usina brasileira é a única do mundo que tira do mesmo pé de cana álcool, açúcar e eletricidade.
A entrada estrangeira no mercado brasileiro de álcool teve início em 2000, quando o grupo norte-americano Louis Dreyfus adquiriu três usinas no Brasil. Juntas, elas produzem oito milhões de toneladas por ano. No ano seguinte, a casa de comércio francesa Tereos (ex-Béghin-Say) entrou como sócia de 6% das ações da Cosan. Além disso, possui três usinas.
De acordo com dados da Unica, a associação dos produtores do setor, as companhias estrangeiras detêm hoje cerca de 5% da produção de cana do país, ou seja, quase 20 milhões de toneladas – percentual pequeno quando comparado a um total estimado em 420 milhões produzidos no Brasil. Ou seja, ainda há espaço para muitas aquisições.
 
 
RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto