Menu
SADER_FULL
quarta, 25 de maio de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CLIMA

Dezembro terá influência do La Niña e estiagem pode ser acentuada em MS

Mais uma vez o fenômeno climático La Niña está influenciando no regime de chuva e temperatura, e pode durar até o início de 2022.

3 Dez 2021 - 07h19Por Portal do MS

Mesmo com o registro de chuvas, por vezes em grandes acumulados em Mato Grosso do Sul, a estiagem continua sendo a grande preocupação. Mais uma vez o fenômeno climático La Niña está influenciando no regime de chuva e temperatura, e pode durar até o início de 2022. 

Outubro registrou volume de chuvas entre 125% a 150% acima do esperado em diversas localidades. De acordo com a coordenadora do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima, Valesca Fernandes, “observou-se precipitação acumulada mensal entre 200 a 400 milímetros nas regiões Central, Sudeste e Leste do Estado”. Porém, devido ao longo período de estiagem as chuvas não foram suficientes para reverter a situação de seca, afirma a especialista. 

Dados do Monitor de Seca da ANA (Agência Nacional das Águas) analisados pelo Cemtec, indicam que em outubro 36 municípios sul-mato-grossenses enfrentaram situação de seca considerada grave, outros 24 municípios tiveram seca moderada, 16 registraram seca extrema e três da região do Bolsão (Selvíria, Paranaíba e Aparecida do Taboado) registraram seca excepcional.

Em novembro, as chuvas continuaram mal distribuídas. De acordo com o meteorologista Natálio Abrahão, entre os municípios que tiveram acumulados acima do esperado no mês, estão Campo Grande (238,2 mm), São Gabriel do Oeste (156,1 mm), Corumbá (137,3 mm), Corguinho (215,1 mm), Rochedo (221,4 mm), Paranaíba (178,8 mm), Cassilândia (232,2 mm) e Dois Irmãos do Buriti (221,4 mm). No restante do Estado as chuvas ficaram na média ou abaixo do esperado, como é o caso de Três Lagoas que registrou apenas 33,6 mm dos 147,2 mm estimados para o período. 

“Apesar de algumas localidades apresentarem chuvas acima da média, o que predominou foram chuvas abaixo do esperado e mal distribuídas nas regiões produtoras, o que pode apresentar baixa produtividade, considerando que o mês de dezembro está previsto um veranico muito acentuado e longo com chances de estiagens atípicas”, alerta o meteorologista Natálio Abrahão. 

Boletim climático da Embrapa reforça ainda mais os contrastes ocorridos no mês de novembro. Enquanto Ivinhema registrou 15 mm de chuva no mês, o município de Rio Brilhante registrou acumulado de 112 mm. Já Dourados, teve o menor índice pluviométrico da série histórica dos últimos 43 anos. Foram apenas 47 mm, ou seja, 30% da média histórica que é de 153 mm. 

Pesquisador da Embrapa, Carlos Ricardo Frietz, destaca que 2021 está sendo um ano atípico em termos de clima, e lembra que o ano registrou o janeiro mais chuvoso em 42 anos, e também o inverno mais frio dos últimos 14 anos. A tendência é que o ano termine com esse mesmo cenário de contrastes. "Tivemos vários meses sob influência de La Niña, e atualmente estamos novamente. Há uma redução no volume das chuvas, principalmente, no sul de MS”.

Com relação as temperaturas, espera-se que registrem índices dentro e acima da média em boa parte da região Centro-Oeste, representando um clima mais quente do que o normal, que será uma consequência da menor formação de nuvens na região.

Estudos da Organização Meteorológica Mundial indicam que o La Niña 2021/2022 será de fraco a moderado e um pouco mais fraco do que o ano passado. Ainda assim, setores como agricultura, saúde, recursos hídricos e gerenciamento de desastres serão afetados.

Instabilidades devem marcar o final de semana em Mato Grosso do Sul 

O tempo deve manter as condições instáveis ao longo do final de semana. Enquanto o sol predomina em algumas regiões, em outras o céu fica nublado com chance de chuva. 

Previsão do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec) indica que as regiões pantaneira, centro-norte e nordeste seguem com probabilidade para chuvas de intensidade de fraca a moderada e tempestades isoladas acompanhadas de raios e rajadas de vento. 

Segundo a coordenadora do Cemtec, Valeska Fernandes, diversos fatores irão contribuir para a manutenção das instabilidades nessas áreas. “O aquecimento diurno e o transporte de umidade, aliado a perturbações atmosféricas em médios e altos níveis, além da formação de um sistema de baixa pressão no Paraguai”.  

Para esta sexta-feira (03) a tendência é de sol ao longo de todo dia nas regiões sudeste e sudoeste, devido a atuação de um sistema de alta pressão em médios níveis. Para as demais áreas são esperadas pancadas isoladas de chuva a qualquer hora do dia.  

Na Capital as condições serão de sol e aumento de nuvens pela manhã, e para a tarde e noite há tendência de pancadas de chuva. Para Dourados, a previsão é de sol entre nuvens e sem chuva. 

Confira no mapa as condições estimadas de tempo e temperatura para alguns municípios de Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira. 

Mireli Obando, Subcom

Foto: Arquivo Subcom

Leia Também

VELOCIDADE DA INTERNET
Governador sanciona lei que obriga empresas informarem velocidade da internet na fatura
EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS
MS entrega 3,8 mil equipamentos agrícolas em um investimento de R$ 1,2 bilhão
TEMPESTADE TROPICAL
Ciclone com ventos de mais de 100 km/h deve atingir a região Sul a partir desta terça
QUARTA FEIRA GELADA
Fátima do Sul e região tem previsão de geada para esta quarta-feira, 18
FEIRÃO DIGITAL DE EMPREGOS
Feirão Digital de Empregos já teve 19 contratações e ampliou número de vagas
PROJETO INFOVIA DIGITAL
Homologada licitação para a implementação do Projeto Infovia Digital
CHUVA E FRIO EM FÁTIMA DO SUL
Meteorologia promete chuva e frio para o final de semana em Fátima do Sul
DETRAN DIGITAL
Abertura de processo de habilitação por CFC agora é feita pela internet
INVESTIMENTOS EM SEGURANÇA
DOF "fecha" fronteira para o crime e se aparelha para ser uma das unidades policiais mais equipadas
NOVO MODELO CNH
MS será o 1º estado a emitir novo modelo de CNH a partir de junho