Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 23 de abril de 2021
Busca
ESPERANÇA

Nas mãos, Geovana de MS segura sua única chance de uma vida saudável e feliz

Presenteada com medula óssea compatível, menina três-lagoense que sofre de doença rara finalmente passou pelo transplante

24 Fev 2021 - 07h40Por Campo Grande News

A espera foi longa, mas o final foi feliz. Geovana Dias da Silva, a três-lagoense de 12 anos que foi diagnosticada com duas doenças raras passou na última segunda-feira (22) pelo tão aguardado transplante de medula óssea. O tratamento era a única chance de levar uma vida 'normal' longe dos hospitais, agulhas, medicamentos e internações, mas também viver seus sonhos.

'Chegou o grande dia do seu renascimento, da minha filha poder viver uma vida melhor. Foram 7 anos de dor e sofrimento, tanto ela fisicamente quanto eu aqui a acompanhá-la de perto. Estou muito grata e emocionada. Deus é maravilhoso, pôde proporcionar essa benção em nossas vidas, especialmente na da Gi. Que o anjo doador seja recompensado aonde estiver, pois ele salvou uma vida', escreveu Neide Dias, a mãe de Geovana, em uma publicação em rede social.

Em dezembro, a menina Gi sorriu direto da cama de hospital agradecendo pela sorte que recebeu: o encontro da medula óssea 90% compatível. De lá pra cá,  ela foi preparada para que recebesse o transplante, com exames, doses de medicamento e demais internações – que aconteceu às 13h de segunda-feira (22), no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

'Os últimos meses foram de muita ansiedade para podermos chegar ao grande dia. Meu coração de mãe está respirando mais aliviado e cheio de alegria. Geovana está muito feliz e com a intensa vontade de viver como uma criança normal sempre pode brincar, rir, correr, pedalar a bicicleta, cair, ralar o joelho, isso tudo sem ter mais que ficar cansada ou preocupada em se machucar', disse a mãe.

Geovana sofre de doenças tratáveis mas incuráveis: a disceratose congênita e a aplasia medular. No último ano, o Lado B vem acompanhando o caso da menina desde que um vídeo seu viralizou na busca pelo pai e desse pedaço 'perdido' da família que, segundo os médicos, seria sua maior chance de encontrar uma medula compatível para o tratamento que tanto precisa.

Mas não foi preciso. Meses mais tarde, no finalzinho de 2020, Gi teve a sorte de encontrar um doador fora do seu ciclo familiar – difícil porém possível.

A partir da realização do transplante de medula, a garota de 12 anos terá condições de se recuperar rapidamente, não ter seu bracinho mais furado pelas agulhas, sofrer tantas dores diárias ou ficar cansada por qualquer coisa. Ainda, sem ter que passar pelo risco de acidentes ou hemorragias graves apenas por ser criança. A infância em leitos hospitalares será trocada por uma pré-adolescência saudável e uma vida longa.

'É preciso ter fé que a medulinha nova vai pegar. Isso leva alguns dias. Mas logo, logo tudo isso vai passar. Peço a todos que continuem orando e torcendo pela minha princesinha. Ela é meu milagre vivo, uma parte incondicional de mim que amo tanto', encerra Neide.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRABALHO NA PANDEMIA
Ricardo Barros, líder do governo Bolsonaro, diz que 'só o professor não quer trabalhar na pandemia'
111841398 061018258 MS - 5.374 MORTES
Covid-19 impõe luto e tristeza a mais 39 famílias em MS
AJUDA DO GPS
Após ficar 30h desaparecida, médica é encontrada em ribanceira com ajuda de GPS de celular
BRASIL - 381.687 MORTES
Brasil passa de 380 mil mortes por Covid; mais de 3 mil delas foram registradas nas últimas 24 horas
images MS - 5.335 MORTES
Neste feriado, 53 pessoas morreram em decorrência da Covid-19 em Mato Grosso do Sul
LUTO NA EDUCAÇÃO
Após perder 03 professoras para o coronavírus, Escola decreta luto em MS
VENCERAM A COVID-19
Edival(Vidraçaria) e esposa Maria vencem a covid-19 e agradecem Hospital da SIAS de Fátima do Sul
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19
POLÍCIA MILITAR DE LUTO
PM DE LUTO: "Sorriso fácil e alto astral": a marca deixada pelo subtenente Lobo