Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 20 de janeiro de 2021
Busca
AUMENTO DE CASOS

Mortes por Covid tiveram queda menor em novembro do que em outubro, indicam secretarias de Saúde

Foram 13,2 mil mortes pela doença no mês passado, segundo dados levantados pelo consórcio de veículos de imprensa. Apesar de queda em relação a outubro, diminuição é menor que a vista nos dois últimos meses.

2 Dez 2020 - 09h36Por G1

O Brasil fechou o mês de novembro com 13.263 mortes pela Covid-19, mostram dados apurados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias de Saúde do país.

É o segundo mês seguido que o país termina com menos de 20 mil mortes pela doença, e o quarto consecutivo em que há queda no número de óbitos.

A diminuição percentual nas mortes, entretanto, foi menor de outubro para novembro do que de setembro para outubro.

Mortes por Covid-19 por mês no Brasil

É a primeira vez em que a queda percentual de um mês para o outro é menor do que a vista nos dois meses anteriores:

"A queda já não é mais tão marcante, como foi na virada de mês passado. E infelizmente, com os números mais recentes, na próxima virada de mês nem sabemos se teremos queda", afirma o epidemiologista e reitor da Universidade Federal de Pelotas Pedro Hallal.

O dado referente a novembro foi calculado subtraindo-se as mortes totais no dia 31 de outubro (159.902) do total de mortes até segunda-feira (30 de novembro), que era de 173.165 até as 20h. Os números dos meses anteriores foram determinados com a mesma metodologia.

Aumento do contágio

A taxa de transmissão do coronavírus alcançou, no mês passado, o índice mais alto desde maio: 1,30, antes de cair novamente nesta semana, para 1,02. Isso significa que cada 100 pessoas infectadas no país transmitem o vírus para outras 102. Na prática, simboliza um avanço no contágio da doença.

Segundo a margem de erro do monitoramento britânico, a taxa de transmissão no país pode ser maior (Rt de até 1,11) ou menor (Rt de até 0,94). Nesses cenários, cada 100 pessoas com o vírus infectariam outras 111 ou 94, respectivamente.

Na segunda-feira (30), a Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que o Brasil "precisa levar muito, muito a sério" a alta no número de casos de Covid-19.

Casos de SRAG

Foto mostra profissional de saúde em UTI no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, no dia 19 de novembro.  Foto: Diego Vara/Reuters

Foto mostra profissional de saúde em UTI no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, no dia 19 de novembro. — Foto: Diego Vara/Reuters

Também em novembro, a Fiocruz indicou, pela primeira vez desde julho, um aumento nos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em todo o território nacional. Antes, esse cenário só era sinalizado para algumas capitais.

A SRAG pode ser causada por vários vírus respiratórios, mas, neste ano, cerca de 98% dos casos da síndrome têm sido provocados pelo Sars-CoV-2, segundo a Fiocruz. Por isso, os dados ajudam a entender o cenário apesar do atraso na confirmação de testes diagnósticos, por exemplo.

Doze das 27 capitais brasileiras tiveram sinal moderado ou forte de que houve crescimento de casos nas 6 semanas anteriores ao boletim: Belo Horizonte, Campo Grande, Maceió e Salvador tiveram sinal forte; Curitiba, Natal, Palmas, Plano Piloto de Brasília e arredores, Rio de Janeiro, São Luís, São Paulo e Vitória tiveram sinal moderado de crescimento.

Metodologia

O consórcio de veículos de imprensa começou o levantamento conjunto no início de junho. Por isso, os dados mensais de fevereiro a maio são de levantamentos exclusivos do G1. A fonte de ambos os monitoramentos, entretanto, é a mesma: as secretarias estaduais de Saúde.

Outra observação sobre os dados é que, no dia 28 de julho, o Ministério da Saúde mudou a metodologia de identificação dos casos de Covid e passou a permitir que diagnósticos por imagem (tomografia) fossem notificados. Também ampliou as definições de casos clínicos (aqueles identificados apenas na consulta médica) e incluiu mais possibilidades de testes de Covid.

Desde a alteração, mais de mil casos de Covid-19 foram notificados pelas secretarias estaduais de Saúde ao governo federal sob os novos critérios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VACINA NO MS - CORONAVÍRUS
Primeiros imunizados contra Covid-19 relatam emoção e encorajam população
O BOTICÁRIO
O Boticário transforma plástico reciclado para melhorar a estrutura de escolas em todo o Brasil
VACINAÇÃO
Em menos de 24h, MS distribui vacinas e municípios já estão autorizados a vacinar contra Covid-19
TIRE SUAS DÚVIDAS
VACINA: Especialistas explicam funcionamento e eficácia das vacinas virais no organismo
VACINA NO MS - CORONAVÍRUS
Prefeitos já se planejam para vacinação nas aldeias e elogiam ações do Estado no combate à pandemia
VACINA NO MS - CORONAVÍRUS
Momento histórico: Governo do Estado realiza primeira vacinação contra a Covid-19
VACINA NO MS - CORONAVÍRUS
Governador Reinaldo Azambuja oferece 10 UTIs de covid para Manaus, que vive colapso na saúde
VACINA NO MS - CORONAVÍRUS
Vacina chega a Mato Grosso do Sul e distribuição aos municípios começa ainda hoje
LUTO FÁTIMA DO SUL - FÁTIMA DO SUL - LUTO
Fátima do Sul confirma 02 óbitos nas últimas 24h, confira o boletim
VACINA CHEGANDO NO MS
Governo do Estado vacina primeiros três sul-mato-grossenses nesta segunda-feira