Menu
SADER_FULL
sexta, 5 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
QUARENTENA

Justiça mantém proibida a reabertura de igrejas em Campo Grande durante quarentena do coronavírus

Prazo de fechamento segue até dia 5, prorrogável enquanto durar a quarentena. Decisão ainda pode ser revista

3 Abr 2020 - 12h14Por Midiamax

A Justiça decidiu que, pelo menos até segunda-feira (5), templos religiosos em Campo Grande devem permanecer fechados. A decisão liminar, assinada pelo desembargador-relator Amaury da Silva Kuklinski, acatou pedido do MPMS (Ministério Público Estadual) e estabelece multa diária de R$ 50 mil aos templos que insistirem em abrir. Segundo a decisão, a ordem de fechamento deve continuar, ainda, no eventual prazo de prorrogação do período da quarentena.

O recurso do MPMS ocorreu após o juiz David de Oliveira Gomes Filho, titular da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, negar a suspensão do disposto no Decreto nº 14.219, que liberou a abertura das igrejas em Campo Grande desde a quarta-feira (30).

No pedido inicial, a promotora de Justiça Filomena Aparecida Depólito Fluminhan, titular da 32ª Promotoria de Justiça da Saúde Pública, pedia a imediata suspensão do decreto citado. A decisão do juiz ressaltou os perigos que a contaminação está por causar, “pois são tristes os exemplos de outros países em que houve o afrouxamento das medidas de combate ao vírus”, porém por maior que seja o receio , é preciso que as instituições funcionem conforme o programa previsto na Constituição Federal justamente para uma situação assim.

Porém, de acordo com o magistrado, o Governo Federal ainda não havia instaurado “estado de defesa” e, assim, não se pode restringir genericamente e por meios coercitivos o direito de reunião a toda a população.

Na análise do recurso movido pelo MPMS, o desembargador destacou a incapacidade do sistema de saúde atender a todos e que, por esta razão, haveria risco irreversível à vida humana caso os templos pudessem funcionar. Ele também apontou a possibilidade de que os cultos sejam transmitidos pela internet ou pela televisão.

“Não se trata de ferir direito constitucional à liberdade de religião ou de culto ou, a qualquer outro direito individual previsto na Carta Magna, e nem há como dizer que a constituição previu situações como a que passa hoje o mundo em virtude da pandemia ocasionada pelo Covid-19, são fatos totalmente atípicos, excepcionais”, pontua a decisão, que aponta, ainda, que o risco de dano de reabertura dos tempos é de difícil reparação

A decisão, porém, pode ser revista, como destacou o desembargador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINA - 48H SEM CASOS
Vicentina entra nas 48h sem registrar casos de Covid-19 e já conta com 16 pacientes recuperados
CORONAVÍRUS NO MS
Saúde testa 60 e confirma mais dois casos de coronavírus na Câmara
LUTA PELA VIDA
Cantora gospel que morreu por coronavírus, fez vaquinha para pagar tratamento
ÓTIMO TRABALHO NA SAÚDE DE MS
Geraldo Resende fica no governo e não irá disputar a prefeitura de Dourados
BOA NOTICIA
Auxílio emergencial deve ser estendido em mais duas parcelas de R$ 300
FUTEBOL
Clubes de futebol brasileiros se unem contra homofobia
CORONAVIRUS NO MS
Curva cresce com mais de 5 confirmações por hora e quase 2 mil infectados em MS
FÁTIMA DO SUL - ASSISTA - CURADO COVID-19
ASSISTA: Curado de Covid-19 recebe corrente de palmas e sorrisos no Hospital SIAS em Fátima do Sul
CORONAVIRUS EM DOURADOS
Hospital da Vida tem nove servidores da saúde infectados pelo novo coronavírus
FÁTIMA DO SUL E CULTURAMA
Com 80 casos suspeitos, Confira o mapeamento dos 138 confirmados e recuperados em Fátima do Sul